Início > economia, Inovação e tecnologia, Minas Gerais > Minas se transforma em polo de alta tecnologia: centro de pesquisas da Google, polo de biotecnologia e o Vale da Eletrônica colocam o estado em posição de destaque

Minas se transforma em polo de alta tecnologia: centro de pesquisas da Google, polo de biotecnologia e o Vale da Eletrônica colocam o estado em posição de destaque


Fonte: O Estado de S.Paulo

GOOGLE TEM CENTRO DE PESQUISAS EM MG

Em 2005, o Google anunciou a compra da Akwan, empresa de buscas criada por professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Com sede em Belo Horizonte, a Akwan tornou-se o centro de pesquisa e desenvolvimento da gigante americana da internet na América Latina.

Com cerca de 100 pessoas, o centro trabalha em projetos em áreas essenciais para o Google, como buscas, anúncios, redes sociais e mapas, para a região e para o mundo. A equipe é responsável pelo Orkut e fez a localização do Google Maps para a América Latina. “A reputação do centro brasileiro na corporação é grande”, afirma Berthier Ribeiro-Neto, um dos fundadores da Akwan e responsável pelo centro.

Ribeiro-Neto é coautor do livro Modern Information Retrieval (Addison Wesley), que ganhou a segunda edição em 2011. O livro sobre recuperação de informações – escrito com Ricardo Baeza-Yates, vice-presidente do Yahoo – foi usado por Larry Page e Sergey Brin na pós-graduação que faziam na Universidade Stanford, no projeto de pesquisa que acabou dando origem ao Google.

Para Ribeiro-Neto, existem dois fatores importantes para incentivar a criação de empresas intensivas em conhecimento. “É preciso ter concentração de inteligência, com mão de obra altamente especializada e capital de baixo custo, a fundo perdido. Capital de banco não serve para empresas nascentes.”

O professor licenciado da UFMG diz que o Brasil criou concentração de inteligência em várias universidades com o programa de formação de pesquisadores do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que já tem mais de 50 anos. “Como eu, milhares de pesquisadores foram fazer pós-graduação fora do Brasil”, diz. “A grande maioria volta para as instituições de pesquisa.”

A disponibilidade de capital, com fundos dispostos a investir em empresas nascentes está em estágio inicial. Antes de ser adquirida pelo Google, a Akwan procurou o BNDES.

“Demoraram dois anos para nos dar resposta, e a resposta foi que internet não era negócio”, diz Ribeiro-Neto. “Uma das razões que nos levaram a concordar com a aquisição foi que o crescimento fundado no capital que gerávamos era muito lento.”

Paulo Golgher, diretor de engenharia do Google, foi aluno dos fundadores da Akwan e um dos primeiros funcionários da empresa. Segundo ele, um fator importante para um ambiente de inovação é não criar processos muito rígidos.

“O mais comum para o surgimento de um projeto novo é o cara fazer a demo no fim de semana e mostrar ao chefe, que acha legal e fala: vai em frente”, diz Golgher. “O gerente não fica bravo porque um programador gastou dois dias para fazer alguma coisa que não tem a ver com sua atividade normal.”

Victor Ribeiro, diretor de produtos do Google para a América Latina, foi o fundador de outra empresa de buscas que surgiu na UFMG, a Miner, que em 1999 foi vendida para o UOL. “Fui considerado louco quando deixei o emprego na Belgo Mineira para criar uma empresa de tecnologia. Hoje a situação mudou e muita gente quer empreender.”

EM BELO HORIZONTE, BIOTECNOLOGIA BUSCA O CAMINHO DO LUCRO

Empresas em incubadora na capital mineira tentam levar para o mercado o resultado de anos de pesquisa nos laboratórios das universidades

O Brasil descarta 4 bilhões de litros de soro de leite por ano. Usada em vários produtos de nutrição clínica e esportiva, a proteína de soro de leite, um derivado do produto descartado, não é produzida no País. Tudo o que é consumido localmente é importado.

Criada em 2006 por três pesquisadores e uma professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Edetec desenvolveu uma tecnologia para a fabricação dessa proteína, e ainda sem o sabor amargo que costuma caracterizar o produto importado. “Estamos negociando parceria com um laticínio”, conta Wendel Afonso, um dos fundadores da Edetec.

A empresa conseguiu um investimento de R$ 1,5 milhão do Criatec, fundo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e busca um montante parecido de um laticínio, para colocar a fábrica para funcionar. Os sócios de Afonso são os pesquisadores Carlos Lopes Junior e Viviane Silva e a professora Marialice Silvestre.

A tecnologia usada pela Edetec tem como base mais de 30 anos de pesquisas da professora Marialice. A empresa licenciou uma patente da universidade. A “whey protein” dos suplementos alimentares para quem faz fisiculturismo é a proteína do soro do leite. Na área de nutrição clínica, essa proteína é usada na fabricação de leite PKU (sigla em inglês da doença genética fenilcetonúria). Quem tem fenilcetonúria não pode comer alimentos ricos em fenilalanina (como carnes, leite e ovos), pois sua ingestão acaba causando danos ao cérebro do doente. Para evitar isso, o leite PKU substitui o leite comum.

A Edetec é uma das empresas da incubadora Habitat, gerida pela Biominas Brasil. Criada em 1997, a Habitat tem uma infraestrutura preparada para receber empresas de biotecnologia. Um dos grandes desafios para empresas dessa área é ter suas instalações homologadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), processo que pode levar alguns anos. Como a incubadora já tem instalações preparadas, é mais fácil começar a trabalhar.

A Habitat ocupa um terreno de 9 mil metros quadrados, com 3 mil metros quadrados de área construída, emBelo Horizonte. Ela tem 34 salas para abrigar as empresas, um laboratório de uso compartilhado, uma central de lavagem e esterilização e duas câmaras frias, além de auditório e salas de reunião. A incubadora já apoiou 36 empresas, que, juntas, faturaram R$ 115 milhões durante o período de incubação e R$ 477 milhões depois de graduadas. Atualmente, tem 17 empresas incubadas. “Estamos preparando um novo edital para este ano”, diz Ana Paula Santos, coordenadora da Habitat.

Outra incubada da Habitat é a In Vitro Cells, fundada pelo professor de toxicologia Carlos Tagliati e pela professora de bioquímica Miriam Marins Chaves, da UFMG. A empresa faz testes in vitro (que não são feitos em seres vivos) de remédios e de cosméticos. Assim como a Edetec, a In Vitro Cells recebeu um investimento do fundo Criatec. “A empresa de biotecnologia depende de subvenção”, disse Tagliati. “Ela começa a se sustentar depois de cinco anos de existência”, aponta Miriam. A empresa começou a ser criada em 2007, quando foi elaborado o plano de negócios.

Ao lado de São Paulo, Minas Gerais é o Estado que mais concentra empresas de biotecnologia, segundo estudo da Biominas Brasil e da PwC. O polo mineiro nasceu em 1975 com a criação da Biobrás, em Montes Claros, pelo professor Marcos Luiz dos Mares Guia, da UFMG. Em 2000, a empresa recebeu a primeira patente internacional de insulina, uma das quatro que existem no mundo. A Biobrás chegou a ser a quarta maior fabricante mundial de insulina sintética, antes de ser vendida para a dinamarquesa Novo Nordisk, em 2002.

Computadores. Belo Horizonte também é um polo de engenharia e computação. As empresas de busca Miner e Akwan surgiram na UFMG. A primeira foi comprada pelo UOL e a segunda pelo Google, transformando-se no centro de pesquisas da gigante americana na América Latina (ver abaixo).

A Inova UFMG tem atualmente 11 empresas, entre incubadas e pré-incubadas. “Queremos atrair empresas com potencial de se tornar destaque nacional e internacional”, afirma Hani Camille Yehia, coordenador da incubadora. Uma delas, a Isofitos, é da área de biotecnologia, e desenvolve um inibidor da multiplicação do vírus da dengue. Mas a maior parte é do setor de tecnologia da informação e energia.

No sul de Minas Gerais, está localizado um outro polo tecnológico. A cidade de Santa Rita do Sapucaí também é conhecida como Vale da Eletrônica. O polo se formou ao redor do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel). Sua origem remonta à década de 1930. A embaixatriz Luzia Rennó Moreira, conhecida como Sinhá Moreira, acompanhou o início do processo de industrialização da sociedade japonesa naqueles anos. De volta a Santa Rita e inspirada pelo que conheceu em países da Ásia e da Europa, Sinhá Moreira criou, em 1959, a Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa, pioneira na América Latina.

Para dar continuidade à formação dos alunos da escola técnica, foram fundados o Inatel, com o primeiro curso superior de telecomunicações no Brasil, e a Faculdade de Administração e Informática, em 1971. Na segunda metade da década de 70, surgiram as primeiras empresas de tecnologia da região. Em 2011, a japonesa Hitachi Kokusai comprou o controle da Linear, fabricante de transmissores de TV e maior empresa do Vale da Eletrônica, com cerca de 320 funcionários.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: