Arquivo

Archive for 07/01/2012

Iniciado no Governo Aécio, Poupança Jovem muda a realidade de mais de 13 mil estudantes em Montes Claros

Gestão social, gestão eficiente,

Fonte: Agência Minas

Com 13,6 mil inscritos, Poupança Jovem muda realidade de estudantes em Montes Claros

O incremento das atividades do Programa Poupança Jovem foi um dos destaques da atuação da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) em 2011. A iniciativa do Governo de Minas passou a ser coordenada pela Unimontes em fevereiro, com o convênio firmado junto à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). São atendidos 13,6 mil alunos no município, matriculados em 38 escolas estaduais de ensino médio, localizadas na área urbana e na zona rural. Elas estão divididas em 10 polos regionalizados.

O Poupança Jovem é destinado a estudantes do ensino médio público estadual que residem em locais com alto índice de evasão escolar, violência ou baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). De acordo com as normas estabelecidas, para cada ano letivo concluído, o estudante recebe benefício de R$ 1 mil. Ao final de três anos, o Governo de Minas deposita R$ 3 mil na conta do estudante. Só terá direito ao recurso o aluno que concluir regulamente o ensino médio e cumprir as metas e obrigações determinadas pelo programa.

“Podemos destacar como um dos principais resultados do programa, a queda do percentual de evasão escolar e o impacto positivo na vida dos alunos”, afirma a coordenadora do Poupança Jovem no âmbito da Unimontes, Kelly Cristina Alencar Soares Baldez. “Verificamos que, quando o aluno adere ao Poupança Jovem, ele passa por uma mudança comportamental. Esse foi um ponto primordial no trabalho realizado”, avalia.

Uma das primeiras ações desenvolvidas pela equipe da Unimontes foi o trabalho de dois meses nas escolas para aumentar a adesão dos estudantes do ensino médio. Isso fez com que 4,7 mil alunos se tornassem parte do programa, atingindo a meta da instituição, de beneficiar 13,6 mil inscritos em Montes Claros.

Ainda na fase inicial das atividades, foi realizado um treinamento para os 124 profissionais envolvidos no programa, incluindo educadores, assistentes sociais, psicólogos, professores de inglês, dinamizadores culturais e outros mobilizadores, juntamente com os professores-referência das escolas estaduais beneficiadas.

Durante a capacitação, foi repassada a orientação sobre os principais temas abordados junto aos alunos, reforçando o princípio de cidadania. Entre outros assuntos, foram relacionados ética, cidadania, prevenção das drogas, sexo seguro, empreendedorismo, carreira profissional e combate ao bullying.

Ao longo do ano, os temas voltados para a formação da cidadania foram discutidos durante os encontros do “Giro Jovem”, promovidos em locais próximos às escolas ou nas comunidades onde moram os alunos. Seguindo as estratégias do programa, as orientações sobre os valores, direitos e deveres e outras questões importantes como a prevenção contra as drogas, a importância do sexo seguro e a cultura da paz foi repassada através de dinâmicas de grupo, palestras, bate papo, debates, encenações teatrais e shows. Todos os temas foram discutidos de forma lúdica, a partir do interesse dos adolescentes. Além disso, eles foram despertados para o trabalho social e voluntário junto à comunidade.

Dentro da proposta, são formados grupos de 25 alunos que, sempre acompanhados de um educador social, escolhem uma ação a ser realizada na comunidade onde estão inseridos. Durante o ano de 2011, eles atuaram em prol da melhoria das condições de vida, como a revitalização de uma praça no bairro Delfino Magalhães; campanhas do agasalho, de prevenção à dengue e de arrecadação de brinquedos para crianças carentes; bem como a mobilização para a ajuda ao Asilo São Vicente de Paulo – Betânia/Lar dos Velhinhos.

Incentivo e autoestima

As atividades do Poupança Jovem influenciaram positivamente a vida de Weslaine Cardoso da Silva, de 17 anos, uma das alunas inscritas no programa. “Aprendi a respeitar mais as pessoas, independente da forma que elas são. Posso dizer que o programa trouxe um novo olhar para minha vida”, afirma a estudante do 3° ano do ensino médio, da Escola Estadual Levi Durães Peres (bairro Santa Lúcia).

Ela destaca que, durante o “Giro Jovem”, adquiriu conhecimentos sobre como deve se comportar numa entrevista de emprego. “Além disso, passei a ter iniciativa para resolver meus próprios problemas”, acrescenta a aluna.

Outra beneficiada pelo programa em Montes Claros, que revela mudança de comportamento, é Stefani Moreira Aquino Toledo, de 16 anos, aluna do 2º ano na Escola Estadual Professor Plínio Ribeiro. “Aprendi muito sobre ética e moral. Passei a ter uma consciência sobre a importância da cidadania”, diz.

A aluna ressalta que as discussões nas palestras e debates dos encontros do “Giro Jovem” ajudaram a chamar a atenção de outros jovens para a relevância da participação deles em projetos sociais. “Assim, estou contribuindo para uma sociedade melhor”, avalia Stefani, que mora no bairro Monte Carmelo.

Uma das atividades do Poupança Jovem é orientar os alunos para a inserção no mercado de trabalho. Através da parceria com uma grande empresa nacional, que instalou sua mais nova unidade num dos shoppings do município, o programa colheu bons resultados.

“Ela teve como uma de suas políticas sociais a disponibilização de vagas para jovens sem experiência, o que permitiu aos nossos educandos, colocarem à prova suas competências”, disse o professor Hadson Tolentino Barbosa, das turmas da 3ª série, na Escola Estadual Professor Plínio Ribeiro.

Como resultado prático, dez alunas cumpriram com êxito todas as quatro etapas do processo de seleção da empresa e foram oficialmente contratadas. Uma delas é deficiente auditiva. “O programa não possui nenhuma obrigação com a qualificação ou contratação dos jovens, mas incentiva o aprimoramento, identificando qualidades e deficiências para a busca por uma colocação no mercado profissional”, completa Hadson.

Cursos de inglês e empreendedorismo

Além do ensino convencional, os alunos inscritos no Poupança Jovem em Montes Claros participam de aulas de inglês, duas vezes por semana, nos polos regionais. As aulas acontecem sempre em horários fora do turno escolar, sendo ministradas por professores que atuam no programa.

Ao longo de 2011, também foi oferecido o curso de Introdução ao Empreendedorismo, através de parceria com o Centro Vocacional Tecnológico (CVT). Foram capacitados 302 alunos do ensino médio das escolas das regionais 2 (Antônio Canela, Professora Dulce Sarmento, Elói Pereira, João de Freitas Neto e Cristina Guimarães) e 6 (Professora Helena Prates, Hamilton Lopes, Benjamin Versiane e Filomeno Ribeiro).

Os alunos do 3° ano do ensino médio de três escolas (Alcides Carvalho, Professor Plínio Ribeiro e Francisco Lopes da Silva) tiveram ainda a oportunidade de conhecer os cursos profissionalizantes oferecidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Eles visitaram a unidade do Senai em Montes Claros, dentro do projeto “Casa Aberta”.

Cultura da paz

A coordenação do Programa Poupança Jovem em Montes Claros também se preocupa com o combate à violência entre os jovens. Nesse sentido, foram desenvolvidas diversas atividades junto aos alunos, propagando a cultura da paz. O ponto alto  aconteceu no dia 21 de setembro (Dia Mundial da Paz). Na oportunidade, todos os pólos regionais realizaram trabalhos voltados para a questão.

Um deles foi uma manifestação em favor da paz, que contou com a participação de moradores dos bairros Santa Lúcia e Delfino Magalhães. A iniciativa envolveu aproximadamente 362 alunos das Escolas Estaduais Delfino Magalhães, Levi Durães Peres e Salvador Filpi.

Também foi realizada a campanha “Paz no Trânsito”, iniciativa dos alunos do 1° e do 2° anos do ensino médio do Colégio Tiradentes. Eles distribuíram materiais educativos para conscientizar motoristas sobre prudência, obediência à sinalização e cuidados para evitar acidentes.

Política criada por Aécio Neves e mantida por Anastasia dobra número de Defesas Civis em Minas

Gestão Pública Eficiente

Fonte: Agência Minas

Em oito anos, número de Defesas Civis Municipais dobrou em Minas

Em 2003, dos 853 municípios, apenas 374 possuíam Comdecs. Atualmente, são 696

Desde o início do ano passado, o Governo de Minas vem realizando uma série de ações preparatórias para o enfrentamento ao período chuvoso, com foco nas medidas preventivas. O apoio e estímulo para a criação de Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (Comdecs) nas cidades mineiras estão entre as principais ações tomadas pelo governo. Além de oferecer capacitação aos agentes municipais para atuação em situações de risco, o Estado assegura prioridade no repasse de recursos aos municípios que possuem Comdecs.

O decreto estadual 45.168, de 9 de setembro de 2009, garante a priorização de repasses estaduais não obrigatórios aos municípios que possuem Comdec instalada, com pessoal treinado e em efetivo funcionamento – já que as medidas preventivas e de socorro à população afetada pelas chuvas são muito mais eficientes quando os municípios estão bem estruturados nessa área.

As ações do Estado, neste sentido, vêm surtindo efeito. Nos últimos oito anos, o número de Comdecs quase dobrou em Minas. Em 2003, dos 853 municípios, apenas 374 possuíam Comdecs. Atualmente, são 696.Além de oferecer a estrutura necessária para que todas as cidades mineiras criem coordenadorias locais, o Governo de Minas oferece cursos de capacitação para agentes municipais e disponibiliza suporte técnico permanente a todas as Comdecs do Estado.

O êxito das ações do Estado conta com o reconhecimento do secretário Nacional de Defesa Civil, Humberto Viana Filho, que elogiou a atuação do Governo de Minas na preparação das defesas civis municipais. “Ficamos muito orgulhosos com o elogio (do secretário). Vamos continuar esse trabalho, especialmente nas questões de prevenção, para evitar a perda das vidas humanas, que deve ser sempre o nosso maior objetivo”, afirmou o governador Antonio Anastasia, que se encontrou o secretário na quarta-feira (4), em Ouro Preto.

Bons exemplos

A criação de Comdecs é tratada pelo Governo de Minas como um dever dos municípios, já que essa medida representa, para a população mineira, um benefício capaz de salvar vidas. Miraí, na Zona da Mata, é um exemplo. Em 2007, o município foi atingido por temporais que deixaram mais de quatro mil pessoas desabrigadas. De lá para cá, a prefeitura, com apoio do Governo de Minas, promoveu uma completa reformulação das ações da Comdec.

Hoje, a coordenadoria local é considerada, pela Cedec, referência no Estado. O secretário executivo da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), tenente-coronel PM Eduardo César Reis, enalteceu as boas práticas de defesa civil que vêm sendo executadas pela Comdec de Miraí. “É fundamental a interação entre poder público, iniciativa privada e sociedade civil organizada para construirmos cidades resilientes, com capacidade para resistir, absorver e recuperarem-se dos efeitos dos desastres”, afirmou.

Em novembro de 2011, o município de Miraí foi atingido por fortes chuvas e vendavais, que provocaram enchentes e alagamentos. Ainda assim, o preparo dos agentes municipais garantiu o emprego de ações emergenciais. Diferentemente do que ocorreu em temporadas de chuvas anteriores, o município conseguiu contornar o cenário adverso, sem a necessidade de decreto de situação de emergência.

Exemplos não faltam para demonstrar que municípios que possuem Comdecs têm mais chances de evitar tragédias, a partir de ações preventivas e estratégicas.  Em Caratinga, no Leste de Minas, a coordenadoria local instalou câmeras de vídeo às margens do rio que passa pelo município. O equipamento, implantado em 2004, transmite imagens em tempo real do rio Caratinga, com monitoramento constante da Comdec. O serviço atende também aos municípios de Santa Bárbara e Santa Rita, que são banhados pelo rio.

Já em Carangola, na Zona da Mata, a atuação efetiva da Comdec foi essencial para que o município enfrentasse os temporais ocorridos nos meses de outubro e novembro de 2011. Com apoio do Governo de Minas, por meio de ações preparatórias e capacitação de voluntários, a Cedec local realizou uma série de medidas preventivas ao longo dos últimos 12 meses, como a construção de muros de contenção em áreas de risco e constantes vistorias em imóveis localizados nas proximidades de encostas. O município, que em 2008 sofreu com alagamentos e deslizamentos de terra, hoje conta com a estrutura necessária para atuação efetiva em situações emergenciais.

Ações do Governo

Para integrar as ações junto aos municípios, o Governo de Minas realizou, entre janeiro e dezembro de 2011, 34 treinamentos para agentes de Defesa Civil em 241 municípios de todas as regiões, totalizando 1.147 técnicos capacitados. Entre 2003 e 2011, foram realizados 203 cursos de capacitação em cerca de 700 cidades de todas as regiões do Estado, com um total de 5.048 agentes participantes.

Com o intuito de coordenar o conjunto de ações realizadas em todo o Estado, o Governo de Minas lançou, em outubro do ano passado, o Plano de Emergências Pluviométricas (PEP) 2011/2012, que leva em conta o histórico dos períodos chuvosos de anos anteriores, contendo o detalhamento sobre os recursos humanos e logísticos da Cedec e dos demais órgãos envolvidos no enfrentamento às chuvas. As prefeituras de municípios afetados recebem do Estado, ainda, auxílio técnico para produzir a documentação necessária para a comunicação oficial de ocorrências em tempo hábil, tanto na esfera estadual quanto na federal.

Desde outubro de 2011, o Governo de Minas já distribuiu três toneladas de alimentos, 1.720 colchões e 460 cobertores, além de telhas, kits com produtos de higiene pessoal, lonas e roupas para os moradores dos municípios atingidos pelas chuvas. A Copasa já disponibilizou 35 mil copos de água potável, para distribuição no Estado.

Fundo Solidário: Antonio Anastasia libera R$ 30 milhões para atender empresas de pequeno porte e cooperativas atingidos pela chuva

Chuvas em Minas Gerais

Fonte: Agência Minas

Confira as medidas emergenciais de apoio à população e empresas anunciadas por Anastasia

BELO HORIZONTE (06/01/12) – O governador Antonio Anastasia anunciou, nesta sexta-feira (6), no Palácio Tiradentes, uma série de medidas para minorar os efeitos das chuvas para a população e as atividades empresariais. As medidas são no âmbito da CopasaCemigBanco de Desenvolvimento (BDMG) e Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) e beneficiarão os municípios onde for declarada situação de emergência.

“Nosso intuito é ajudar na recuperação daqueles que tiveram perdas devido aos danos causados pelas chuvas e, no caso das empresas, buscar manter a atividade econômica e garantir emprego e renda das pessoas. São medidas que já demonstraram sucesso em situações anteriores e que nós vamos determinar que sejam repetidas agora”, explicou o governador.

Contas da Copasa e da Cemig terão regras especiais para população atingida pelas chuvas

As contas de consumidores atingidos pelas chuvas que ainda não foram processadas deverão ser faturadas pela média de consumo, até que a situação na cidade seja normalizada. Os imóveis com sério comprometimento, identificados pela Defesa Civil, terão as contas cobradas com base no consumo mínimo.

Outra medida é o adiamento por quinze dias do pagamento das contas a partir desta sexta-feira. O processamento de contas que ainda não foi feito também será adiado pela Copasa. Os usuários poderão também solicitar alteração na data do vencimento das contas para, no máximo, 31 de março de 2012, ou o parcelamento de contas, com a primeira parcela vencendo em março. Caso haja, na conta de fevereiro, aumento motivado por problemas relacionados às chuvas, o consumidor poderá solicitar a retificação, com base na média de consumo referente ao faturamento de dezembro de 2011.

Também os consumidores da Cemig diretamente atingidos, de acordo com constatação da Defesa Civil, terão o prazo de vencimento das contas prorrogados para a data do vencimento do mês seguinte, sem juros ou correção.  A companhia energética poderá, individualmente, como forma de facilitar para o consumidor, caso haja vencimento de duas contas, dividir os valores acumulados pelas dívidas vencidas, em, pelo menos, duas parcelas.

Programa liberará R$ 30 milhões para ajudar restabelecimento de micro e pequenas empresas

O governador criou o Programa Emergencial de Socorro a Empresas e Cooperativas com Empreendimentos Afetados por Chuvas Intensas – Fundese Solidário VI. Serão R$ 30 milhões destinados a apoio financeiro para a reparação de danos causados pelas chuvas a micro e pequenas empresas e cooperativas de municípios declarados em estado de calamidade pública, em situação de emergência ou em área ou região específica em cidade atingida.

Os recursos são do Fundo de Fomento e Desenvolvimento Socioeconômico do Estado de Minas Gerais (Fundese), gerido pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), onde os pedidos de financiamento deverão ser protocolados, acompanhados da documentação exigida, até o dia 31 de maio.

Os financiamentos destinam-se à substituição e reparos de ativos essenciais às atividades operacionais do estabelecimento, incluindo despesas com montagens, fretes e seguro; e à recomposição do capital de giro para cobrir gastos com pagamento de funcionários e fornecedores, aquisição de insumos, mercadorias para revenda e material de consumo, além de pagamento de impostos e taxas.

O valor do financiamento poderá ser de R$ 5 mil a R$ 100 mil, limitado a 20% do faturamento anual do solicitante, que deverá oferecer contrapartida de 10% do valor financiado. O prazo para quitação é de até 36 meses, incluídos até seis meses de carência, para investimentos fixos ou mistos, e de até 24 meses, incluídos até três meses de carência, para capital de giro.

As condições dos financiamentos incluem juros de 6% ao ano, cobrados trimestralmente durante o período de carência e, mensalmente, junto com as amortizações do principal. A atualização monetária será com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IPCA/IBGE) com redutor de 100%. Também será incluída taxa de abertura de crédito (TAC) correspondente a 1% do valor total do financiamento.

Governo de Minas adiantará recursos de assistência social para municípios

2

O Governo de Minas vai ainda adiantar os recursos do Piso Mineiro de Assistência Social dos próximos seis meses aos municípios que tiveram  situação de emergência homologada pelo Estado e que têm direito ao benefício em 2012. O Piso Mineiro consiste em um valor básico para o cofinanciamento estadual dos serviços e benefícios de assistência social, prestados pelo Centro de Referência de Assistência Social (Cras).

Cada município poderá utilizar o recurso de acordo com suas necessidades para serviços socioassistenciais, de acordo com as demandas e prioridades locais. Os valores que cada cidade receberá dependem de uma combinação que tem como critérios a população do município e o número de famílias cadastradas no perfil Cadastro Único para Programas Sociais (Cadúnico) do Ministério do Desenvolvimento Social.

 

Antonio Anastasia anuncia plano para socorro e reconstrução das cidades atingidas pelas chuvas

Gestão Pública, Chuvas em Minas Gerais

Fonte: Agência Minas

Governador apresenta ações para restabelecer normalidade nas cidades atingidas pelas chuvas

O Governo de Minas já está investindo cerca de R$ 70 milhões na recuperação das estradas e pontes sob responsabilidade do Estado

1

BELO HORIZONTE (06/01/11) – O governador Antonio Anastasia anunciou nessa sexta-feira (6) as ações do plano do Governo de Minas para socorro e reconstrução das cidades atingidas pelas fortes chuvas que assolam o Estado. Para a fase de prevenção, o governador já havia solicitado à ministra do Planejamento, Miriam Belchior, em reunião realizada no dia 27 de dezembro do ano passado, em Brasília, recursos da ordem de R$ 1,5 bilhão.

Anastasia explicou que o plano será divido em três fases: volta à normalidade, reconstrução e prevenção. Para tanto, o Estado vai contar com a integração com prefeituras municipais e órgãos do governo federal. O anúncio das ações foi feito em entrevista coletiva depois que o governador se reuniu com os ministros dos Transportes, Paulo Sérgio, e da Integração, Fernando Bezerra, no Palácio Tiradentes.

A primeira fase, a volta da normalidade, já está em andamento e visa restabelecer de pronto o acesso por parte de todos os mineiros a água tratada, comida, abrigo e transporte. Para tanto, a Defesa Civil está trabalhando nos municípios atingidos, em parceira com bombeiros, Polícia Militar, técnicos da Secretaria de Saúde e de Transporte e Obras Públicas, além de voluntários.

“A prioridade do Governo do Estado tem sido a volta à normalidade, ou seja, a recompor a locomoção das pessoas, o acesso às áreas isoladas, voltar o abastecimento de água, de energia, permitir o fluxo de alimentação. Na cidade de Guidoval, que estava até ontem com problemas maiores de acesso, já foi restabelecido um acesso secundário por via terrestre, através do município de Dona Euzébia. Hoje pela manhã, o Exército está  instalando uma passarela no local da antiga ponte. A ponte será construída imediatamente tão logo o rio baixe, porque não podemos fazer a obra agora enquanto o rio está em seu volume maior. O DER já recebeu essa orientação”, afirmou Anastasia.

O Governo de Minas já está investindo cerca de R$ 70 milhões na recuperação das estradas e pontes sob responsabilidade do Estado, valor que pode aumentar dependendo das próximas necessidades.

Ainda para ajuda nessa fase o governador afirmou que pedirá a auxílio financeiro de cerca de R$ 25 milhões do governo federal, que se prontificou a colaborar com o Estado por meio do Cartão da Defesa Civil.

“Viemos colocar a disposição do Governo do Estado não só a solidariedade do governo federal, mas a solidariedade financeira no apoio ao socorro e assistência as populações atingidas, sobretudo no que diz respeito a abrigamento, mantimento, despesas com  combustível. Vamos aguardar a solicitação do governo de Minas para que a gente possa atender, através do novo instrumento que está sendo utilizado pela Defesa Civil que é o cartão de pagamento da Defesa Civil”, afirmou o ministro da Integração Nacional.

Em uma segunda fase, depois da baixa dos rios e da volta à normalidade, o Governo de Minas vai atuar também na ajuda da reconstrução dos municípios atingidos. “A reconstrução se dará especialmente através da recuperação da infraestrutura, das casas destruídas. Vamos contar com o apoio do governo federal”, afirmou o governador.

Prevenção

A terceira fase já está em andamento e se refere a mais medidas preventivas para amenizar os efeitos e estragos causados por chuvas nos municípios de Minas. A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru) já tem os novos projetos de prevenção prontos e detalhados para serem apresentados na próxima terça-feira (10) à ministra do Planejamento em nova reunião em Brasília.

“São pedidos de obras estruturantes na área de prevenção e saneamento, investimentos que devem orçar R$1,5 bilhão nas cidades e regiões do Estado mais atingidas historicamente. A Defesa Civil Nacional listou para o Ministério do Planejamento aquelas cidades, não só de Minas, mas do Brasil, que tiveram incidentes provocados por enchentes ao longo dos últimos anos e essas cidades, essas regiões, portanto, estão recebendo esses projetos”, explicou o governador.

Paralelamente a essas ações, o Governo de Minas já está dando auxílio técnico aos municípios para produzirem seus projetos de contenção de encostas e de drenagem. “Ao mesmo tempo, o Governo do Estado vai investir mais do que investiu no ano passado, em dragagem, que é uma área de prevenção muito importante, especialmente nas regiões que estão mais atingidas. São medidas que estão sendo tomadas de maneira coordenada e integrada entre o Governo do Estado, as prefeituras e o Governo Federal”, ressaltou Anastasia.

O governador agradeceu a população de Minas que já começa a se mobilizar para ajudar no auxílio aos atingidos pelas chuvas. “Quero aproveitar para agradecer a solidariedade da população mineira que já está indo aos postos de ofertas levando gêneros, alimentos, especialmente roupas para as pessoas que foram atingidas. Isso é um dado muito importante da solidariedade no Estado que eu quero agradecer. Eu visitei as áreas atingidas tanto antes, ainda no final do ano passado, como nessa semana, e nós vimos que as pessoas perdem, de fato, bens pessoais que tem que ser recompostos”, completou.

Minas Solidária: Servas e Governo Anastasia iniciam campanha de solidariedade para arrecadação de donativos para vítimas das chuvas

Chuvas em Minas Gerais, solidariedade

Fonte: Agência Minas

Servas e Defesa Civil lançam campanha de solidariedade às vítimas das chuvas

BELO HORIZONTE (06/01/12) – Por meio do Movimento Minas Solidária, o Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas-MG) e a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG) iniciaram, nesta sexta-feira (6), em todo o Estado, campanha de solidariedade para arrecadação de doações para atendimento emergencial a famílias desalojadas e desabrigadas em mais de 90 municípios atingidos pelas chuvas.

Até o momento, são 99 municípios que se encontram em situação de emergência, mais de 9.880 pessoas desalojadas e mais de 5.000 desabrigadas, que tiveram suas casas destruídas ou danificadas e precisam de itens como leite em pó, fraldas descartáveis, material de higiene e limpeza, roupas e utensílios domésticos.

A Cedec-MG se responsabiliza pela rápida distribuição dos itens para socorro das famílias, de acordo com o mapa dos danos causados nas regiões atingidas, atualizado o tempo todo.  “O Minas Solidária, constituído em 2003, mobiliza o poder público, prefeituras, entidades de classe, veículos de comunicação e a sociedade organizada, articula ações que têm como base a solidariedade humana. Esse é o espírito que dá caráter permanente ao Movimento”, lembra a presidente do Servas, Andrea Neves da Cunha.

Como fazer as doações

As doações podem ser entregues nos batalhões da Polícia Militar e nas unidades do Corpo de Bombeiros espalhados por todas as regiões do Estado. No site www.servas.org.br estão relacionados os batalhões e unidades da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros com os respectivos endereços para entrega das doações.

O Servas também está preparado para receber doações em sua sede localizada em Belo Horizonte à avenida Cristóvão Colombo, 683, bairro Funcionários (telefone: 3349-2400). Doações financeiras podem ser depositadas na conta do Banco do Brasil – Agência 1229-7 – C/C- 64.529-X

Sobre o Movimento Minas Solidária

O Movimento Minas Solidária foi instituído em 20 janeiro de 2003 pelo Governo Antonio Anastasia e pelo Servas e mobilizou a sociedade organizada contra as consequências das chuvas que atingiram o Estado naquela época, as piores dos últimos 18 anos.

Desde então, sob a coordenação institucional do Servas e operacional da Cedec, o movimento reúne entidades de classe, empresas privadas, sindicatos, veículos de comunicação, prefeituras e cidadãos com o objetivo de formar uma rede de solidariedade e apoio às famílias prejudicadas. Essa iniciativa tem permitido a realização de uma das maiores campanhas de voluntariado e doações da história de Minas Gerais.

O Minas Solidária é resultado dessa parceria, que se dá em duas etapas: a primeira, de socorro emergencial, para atender às necessidades imediatas de abrigo, alimentação, agasalhos e medicamentos, entre outras; a segunda, de construção de moradias para as famílias que moram em regiões atingidas pelas chuvas.

%d blogueiros gostam disto: