Início > Aécio Cunha Minas, Aécio Gestão Pública, Corrupção, Gestão do PT, Gestão Fraudulenta, Gestão Pública, Governo do PT, política > Noblat diz que Carlos Lupi, ministro do Trabalho, entra para a história como “o auxiliar que mais constrangeu a presidente antes de levar finalmente um merecido pé na bunda’

Noblat diz que Carlos Lupi, ministro do Trabalho, entra para a história como “o auxiliar que mais constrangeu a presidente antes de levar finalmente um merecido pé na bunda’


Governo do PT, Sem gestão pública, presidencialismo de coalizão, irregularidades

Fonte: Artigo de Ricardo Noblat publicado no Blog do Noblat – O Globo

Fora com Lupi!

“Malfeito para este governo só é malfeito quando vira escândalo” – senador Aécio Neves (PSDB-MG)

Quer saia logo do governo ou não, Carlos Lupi, ministro do Trabalho, garantiu modesta nota de pé de página em livro de História sobre o governo Dilma Rousseff como o auxiliar que mais constrangeu a presidente antes de levar finalmente um merecido pé na bunda. Até aqui, pelo menos, trata Dilma como se ela não passasse de um tigre de papel.

Diga-se a favor de Lupi que ele não foi o único a resistir a deixar o cargo. Salvo Nelson Jobim, ministro da Defesa, os demais desabrigados do governo em sua fase inaugural foram embora contrariados ou cuspindo fogo. Afinal, ser ministro é muito bom. Todos o cortejam. Sem falar das vantagens que aufere.

O fogo cuspido por um ou outro não provocou mossa em Dilma. Ela foi hábil ao lidar com as situações. Antonio Palocci, ministro da Casa Civil, saiu sob aplausos. Os olhos de Dilma ficaram marejados. Só faltou uma orquestra de metais para embalar com músicas épicas a saída triunfal de Orlando Silva do Ministério do Esporte.

Alguém estranho aos nossos costumes – um nórdico ou anglo-saxão – teria dificuldade de entender porque se demite um ministro e depois se junta um coro de carpideiras para chorar sua saída. Somos latinos e melífluos, essa é que é a verdade. E também cínicos por natureza.

Lupi dispensou choro, vela e tapinhas nas costas. Aproveitou sua condição de único e inquestionável donatário do PDT fundado por Leonel Brizola para falar grosso, dizer desaforos e comportar-se como se lhe coubesse dirigir a cena protagonizada por ele mesmo. Quis ser valente – foi apenas vulgar. Tentou fazer graça – pareceu um cafajeste.

O grosso: “Conheço a presidente Dilma há 30 anos. Duvido que ela me tire. Nem na reforma ministerial.” O desaforado: “Daqui ninguém me tira. Só se for abatido à bala. E tem de ser bala de grosso calibre porque sou pesado.” O vulgar: “Sou osso duro de roer.” O cafajeste: “Presidente, me desculpe se fui agressivo. Dilma, eu te amo.”

Se não tivesse outros motivos para demitir Lupi, Dilma ganhou de graça um definitivo motivo ao ouvir dele em depoimento no Congresso o debochado pedido de desculpas. “Dilma, eu te amo” é a maneira mais sarcástica de tirar de alguém a majestade do seu cargo e de reduzir-lhe a autoridade. Deveria ter sido despachado no ato. O tigre só miou.

A soberba de Lupi voltou a se manifestar quando ele foi homenageado na última sexta-feira pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Agarrado à calça que a todo instante ameaçava deixá-lo só de cuecas, Lupi prometeu, como se lhe sobrasse poder para tanto: “Vou acabar com o ciclo de ministros demitidos no grito. Ah, vou!”

Dilma pensou a mesma coisa quando Lupi começou a ser atingido por denúncias de malfeitos. Disse a um assessor: “Não, não vou deixar que a imprensa derrube um ministro a cada semana.” Evoluiu depois para a posição de demitir Lupi ao reformar seu Ministério. Já não está mais certa disso depois de ter lido a “Veja” no fim de semana.

Ali resta provado que Lupi mentiu ao Congresso ao negar que tivesse voado em jatinho de empresário. E que mentiu novamente ao fingir que mal conhecia Adair Meira, um gaúcho dono de ONGs. Lupi viajou pelo interior do Maranhão no King Air de Meira. E na companhia do próprio Meira, aquinhoado depois com contratos no governo.

Roubar nas barbas do presidente não é necessariamente razão para ser demitido. Ao lotearem seus governos com os partidos, os presidentes sabem que pagarão o preço de fechar os olhos a pequenos grandes roubos. Mas mentir ao Congresso, por mais que o Congresso seja uma casa de mentiras, é um crime grave. Ou assim deveria ser encarado.

A se admitir que nada aconteça ao ministro de Estado que mentiu diante dos representantes do povo, o melhor é decretar de uma vez por todas que vivemos em uma falsa democracia. E que o servidor público número um, o presidente da República, é também o farsante público número um.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: