Início > economia, mineração > Brasil vai expandir venda do nióbio para a China

Brasil vai expandir venda do nióbio para a China


Mineração, mineradoras

Fonte: Elida Oliveira – Ribeirão Preto

Brasil investe para vender nióbio à China

Cia. Brasileira de Metalurgia e Mineração usa ‘marketing especializado’ para mostrar vantagens do uso do metal

Em 35 anos, empresa amplia exportações em 1.000%; EUA, Japão, Cingapura e Europa também são clientes

Para criar um mercado inexistente até a década de 1960 para o nióbio – metal que faz com que o aço seja mais resistente-, a CBMM (Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração) investiu na China nos últimos 20 anos.

A estratégia consistiu numa espécie de “marketing especializado”: técnicos e pesquisadores foram enviados ao país asiático para abordar as vantagens do uso do metal. O motivo é simples: na China estão grandes siderúrgicas.

Nessas empresas e em centros de pesquisa chineses, a CBMM também deu bolsas de estudo aos asiáticos chineses para eles mesmos desenvolverem pesquisas sobre novas aplicações para as ligas.

O investimento deu certo. Hoje o país asiático compra 26,6% da produção de ferronióbio da CBMM, segundo o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral).

A companhia está localizada em Araxá – cidade a 367 km de Belo Horizonte -, onde se concentram as maiores reservas de nióbio do mundo. O ex-secretário nacional de Minas e Energia Luciano Borges, da Adhoc Consultores Associados, define o Brasil como o principal “player” no mercado atualmente.

“É um insumo importante para a indústria, mesmo [com o metal] entrando como uma pequena parte na composição das ligas”, disse.

EXPANSÃO DE MERCADO
Em 35 anos, a CBMM conseguiu expandir em 1.000% suas exportações. Em 1975 foram exportadas 5.400 toneladas de nióbio; no ano passado, 61,9 mil toneladas, conforme dados da empresa.
Além da China, compram ferronióbio da CBMM os países da União Europeia (32,8%), os EUA (15%), Cingapura (14%) e Japão (10,75%), segundo o DNPM.

Segundo a CBMM, o nióbio está presente em somente 10% da produção mundial de aço, estimada em 1,2 bilhão de toneladas, mas a tendência é crescer.

A companhia estima aumentar em 60% as exportações até 2015. Neste ano, investidores japoneses e sul-coreanos compraram 15% da CBMM temendo o avanço da China nesse mercado.

No ano passado, a estatal East China Exploration comprou o controle da Globe Metals & Mining, australiana com reservas na África.

APLICAÇÃO
Os aços microligados com nióbio podem ser usados na construção civil e nas indústrias mecânica, aeroespacial, naval e automobilística. O Brasil conta com 98,43% das reservas mundiais, de acordo com o DNPM Pesquisas desenvolvidas na Unicamp comprovaram que a mistura de titânio com nióbio produz uma liga com estrutura semelhante ao osso humano. Com isso, pode ser usada em próteses, sem efeito colateral.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: