Início > Aécio Cunha Minas, Aécio Gestão Pública, Aécio Neves: choque de gestão, Artigo, Choque de Gestão, Gestão, Gestão Pública, Inovação e tecnologia, Minas Gerais, política > Iniciado no Governo Aécio com o Choque de Gestão, Minas investe no treinamento de servidores com foco na gestão eficiente e uso da tecnologia de olho na melhoria dos serviços públicos

Iniciado no Governo Aécio com o Choque de Gestão, Minas investe no treinamento de servidores com foco na gestão eficiente e uso da tecnologia de olho na melhoria dos serviços públicos


Modelo de Gestão Pública

Fonte: Artigo de Andreson Rossi* – publicado pelo Brasil Econômico

Tecnologia e inovação ao gosto do público

A Fundação Dom Cabral tem promovido, nos últimos anos, treinamentos com servidores dos governos de Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia com o intuito de aprofundar neles a percepção da tecnologia e inovação na gestão pública

A tecnologia, em estado bruto, não conduz necessariamente a um processo de inovação. Para que ela gere valor ou apresente resultados, seja à sociedade por meio de um serviço público diferenciado, seja à organização privada por meio do lançamento de um novo produto, é essencial que a tecnologia esteja fundamentada por modelos de gestão e de negócios que a suportem, tornando-a geradora de bens efetivos e perceptíveis à sociedade. Caso contrário, a tecnologia é uma forma isolada, sem estrutura que lhe dê relevância.

No setor público, a tecnologia tem se tornado condutora de processos consistentes de inovação, percebidos pela população no dia-a-dia. O sistema integrado de dados dos Departamentos de Trânsito estaduais, o uso da teleconferência para depoimentos de detentos ao judiciário, evitando deslocamentos e reduzindo custos, o voto eletrônico, os sistemas urbanos de segurança com câmeras e softwares de reconhecimento facial são exemplos, entre outros, de como a tecnologia, inserida em um modelo factível e inovador de gestão, pode oferecer resultados e melhores serviços à sociedade. E uma vez que esses benefícios são constatados, há um ganho positivo imediato para a marca- no caso, a de governos e órgãos do serviço público. O cidadão ‘sente’ o retorno de seu tributo.

Além da tecnologia como ‘ferramental’ e de um modelo de gestão ou de negócios que a suporte, outro elo fundamental para um processo inovador bem-sucedido é o envolvimento do corpo de funcionários na sua execução e/ou condução. Sem o homem não há tecnologia possível – ele é sempre chamado a participar. Neste contexto, a Fundação Dom Cabral tem promovido, nos últimos anos, treinamentos com servidores dos governos de Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia com o intuito de aprofundar neles a percepção da tecnologia e inovação na gestão pública e, ainda, de como esses profissionais devem aproveitar o que elas têm a lhes oferecer. É imprescindível apresentá-los ao ‘novo’. Motivá-los a usar com eficiência os ferramentais tecnológicos disponíveis e, a partir deles, gerar resultados à administração pública e ao cidadão. Desmistificar o ‘medo’ da mudança que todo processo inovador traz embutido em si. Só assim se consegue o ‘corpo’ que viabiliza o avanço-com entendimento.

Um caso interessante que abrange esses três eixos – a tecnologia, o modelo de gestão estratégico e o profissional que opera este conjunto – diz respeito ao uso das mídias sociais pela administração direta do Estado. Na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), por exemplo, o monitoramento das mídias sociais permitiu identificar as reclamações dos usuários sobre a ausência de painéis que informassem o horário do próximo trem em uma determinada estação da capital paulista. A companhia, de posse desses dados estratégicos, implantou o painel no local e, com isso, gerou a percepção de melhoria na prestação de serviços aos usuários.

Hoje, a perspectiva é de que a tecnologia tenha cada vez mais destaque na gestão pública. Se bem amarrada a um modelo estratégico, ela pode contribuir com melhores serviços e mais eficiência da máquina pública, reduzindo o déficit de imagem provocado por longas décadas de serviços precários oferecidos por nossos governos.

ANDERSON ROSSI – Professor e pesquisador do Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: