Início > economia, Minas Gerais, mineração > Setor de mineração tem que estar atento a China, para consultor na próxima década haverá quebra de demanda por minérios

Setor de mineração tem que estar atento a China, para consultor na próxima década haverá quebra de demanda por minérios


Fonte: Tatiana Freitas – Folha de S.Paulo

Mineração precisa se preparar para o pós-China, diz consultor

Commodities
Com o fim do boom chinês, especialista prevê demanda menor de minérios entre 2020 e 2030

Colin Pratt sugere que o Brasil diversifique e invista em fertilizantes, porque os chineses ‘vão precisar comer sempre’

O forte crescimento econômico da China, responsável pela expansão do setor de mineração na última década, tem data para acabar. E os produtores de minério de ferro, altamente dependentes da demanda chinesa, precisam estar preparados para esse momento.

A teoria é de Colin Pratt, diretor da CRU Strategies, consultoria especializada em metais. Ele estima que, entre 2020 e 2030, haverá uma quebra estrutural na demanda por minérios, com o fim do boom chinês.

Na última década, a participação da China no consumo mundial dos principais metais subiu de 10% para 40%, segundo Pratt. Em alguns casos, deve chegar a 50% em breve, devido às grandiosas obras de infraestrutura no país asiático.

“Mas só se constrói uma nação uma vez”, disse Pratt. Para ele, nos anos 20, cerca de 80% da população chinesa já estará vivendo em áreas urbanas, o que reduzirá o ritmo das obras.

Apoiada na explosão da demanda chinesa, a produção mineral brasileira passou de US$ 7 bilhões, em 2000, para US$ 50 bilhões estimados para este ano -o minério de ferro, usado na produção de aço, corresponde a mais de 60% do total.

“O boom de demanda por minério de ferro vai acabar nos anos 20. O Brasil precisa se diversificar em outros metais mais ligados ao consumo do que à infraestrutura, como os fertilizantes. Os chineses vão precisar comer sempre”, acrescentou o consultor, ontem, durante o 14º Congresso Brasileiro de Mineração, em Belo Horizonte (MG).

Para Pratt, as mineradoras estão vivendo um pico de demanda e devem aproveitar a boa fase. “Não vemos quebra estrutural nos próximos dez anos, mas temos de olhar para o longo prazo”, disse. Mas fez uma observação positiva entre tantas observações: “Ainda existe a Índia”.

CURTO PRAZO
Até 2020, ou seja, durante a fase mais aguda do processo de urbanização, o consultor aguarda a continuidade da forte demanda por minério.

A visão de Pratt é compartilhada por Roger Downey, presidente da MMX, mineradora do grupo de Eike Batista. Para os próximos anos, o executivo acredita que a tonelada de minério de ferro vai oscilar em torno de US$ 150 e, para o longo prazo, ele prevê que os preços estejam ao redor de US$ 100.

“Por mais que o consumo de matéria-prima se arrefeça, ele ainda é muito grande”, afirmou Pratt.

Marcelo Aguiar, analista do Goldman Sachs para a área, estima um arrefecimento depois de 2014, quando está prevista a entrada de capacidade adicional na produção mundial. Para 2012, a projeção é de US$ 170 por tonelada, passando para US$ 160 em 2013 e para US$ 125 por tonelada no ano seguinte.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: