Início > Gestão, Governo, infraestrutura > Governo do PT adia projetos prioritários, impasses podem gerar desindustrialização, aumento das importações, inflação e aumento de gastos

Governo do PT adia projetos prioritários, impasses podem gerar desindustrialização, aumento das importações, inflação e aumento de gastos


Fonte: Vivian Oswald – O Globo

Projetos de infraestrutura são adiados

Licitação de trem-bala e concessão de aeroportos estão na lista de problemas

BRASÍLIA. A três meses do fim do ano, para alguns setores da economia, é como se 2011 já tivesse acabado. Não há mais tempo hábil para realizar projetos considerados prioritários pelo governo, previstos para a área de infraestrutura no primeiro ano da presidente Dilma Rousseff. Grandes empreendimentos como a licitação do trem-bala (cujo leilão deveria ter acontecido no último dia 29 de julho) ou a concessão de aeroportos importantes – como Guarulhos, Viracopos e Brasília -, ficaram para o próximo ano, embora o governo insista que ainda podem sair no final de dezembro.

Sem um acordo político, o marco regulatório do pré-sal – dependente do acerto sobre a divisão dos royalties – também teve sua inauguração, com uma licitação de áreas de exploração, adiada para o ano que vem. Isso atrasa por mais tempo os investimentos previstos para este setor considerado chave para o país. A estimativa é que, depois de regulamentado, a área vai receber até 2020 nada menos que US$ 400 bilhões.

Para especialistas ouvidos pelo GLOBO, o custo destes impasses se traduz em desindustrialização, aumento das importações, mais inflação e previsão de gastos ainda maiores para tentar compatibilizar a infraestrutura atual à explosão da demanda.

– O Brasil precisa de R$ 350 bilhões para ter uma infraestrutura decente até 2020. Se não conseguir desembolsar isso tudo até lá, os gastos crescem para R$ 393 bilhões até 2030. Ou seja, R$ 43 bilhões a mais. Quanto mais tempo perder, pior – disse o vice-presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Nilton Lima.

Os esforços para dar acesso a mais de 40 milhões de brasileiros ao mercado consumidor e o estímulo ao crédito – que nunca foi tão alto no país – não foram acompanhados pela melhoria da infraestrutura. Se hoje os brasileiros têm automóveis como nunca, o governo não conseguiu se preparar no seu primeiro ano para atender à demanda por álcool e gasolina. A chamada política permanente para o etanol, rascunhada desde maio, só deverá ser implementada a partir de 2012.

O próprio presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, admitiu que o país tem uma limitação na capacidade de produzir gasolina e que, diante do crescimento do mercado de combustível, a estatal, que já vinha importando no ano passado, deve fazê-lo em quantidade ainda maior este ano.

– O problema do álcool não se resolve nos próximos três anos, assim como a infraestrutura. Investimentos nestas áreas têm prazo de maturação. Já perdemos um ano e isso é grave. O aumento da demanda só piorou os serviços nos aeroportos, que já não tinham estrutura para o aumento do número de passageiros – diz o especialista em energia e infraestrutura Adriano Pires.

O projeto de conter o imposto inflacionário também ficou para 2012. A lista de adiamentos inclui ainda a criação da Secretaria de Micro e Pequenas Empresas, a cobrança nas fronteiras de certificação de produtos importados e o Imposto de Importação sobre produtos sensíveis.

– Diante desta inércia, o setor produtivo se sente desestimulado a investir, pois sabe que não há infraestrutura para crescer mais e pode perder seu dinheiro lá na frente. A capacidade instalada da indústria se manteve igual, com pequena queda até. Isso significa que o setor privado não está investindo – diz o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.

Outro efeito negativo das postergações é a qualidade do crescimento do país, que, para atender à demanda cada vez mais alta, se escora no aumento das importações. Segundo Castro, o Brasil nunca importou tanto. E as compras lá fora compensam o que a indústria nacional não consegue produzir com os mesmos preços dos seus concorrentes estrangeiros, que continuam beneficiados pelo real valorizado.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: