Início > Corrupção, Fraude, Gestão, Governo, política > Presidencialismo de coalizão: cientistas políticos dizem que atos de corrupção no Governo do PT podem provocar queda de popularidade de Dilma

Presidencialismo de coalizão: cientistas políticos dizem que atos de corrupção no Governo do PT podem provocar queda de popularidade de Dilma


Flávio Freire e Sérgio Roxo – O Globo

Para analistas, loteamento político é o problema

Desgaste político com os partidos da base no Congresso Nacional é que deve acabar sendo maior para Dilma Rousseff

Escândalos

SÃO PAULO – Cientistas políticos acreditam que a queda de Pedro Novais da pasta do Turismo, quarto ministro envolvido em irregularidades na atual gestão, é resultado da política de alianças baseada em loteamento de cargos do governo da presidente Dilma Rousseff (PT). Eles avaliam também que a sucessão de denúncias contra integrantes do primeiro escalão poderá mexer com a imagem da presidente, mas, ainda assim, não projetam uma queda imediata de sua popularidade.

– O eleitor logo pensa que foram tantos acordos com Deus e com o diabo, muito mais com o diabo, diga-se de passagem, que não poderia esperar uma administração sem os vícios do passado – avalia o cientista político Rubens Figueiredo, diretor do Centro de Pesquisa e Análise de Comunicação (Cepac).

Para Fernando Antônio Azevedo, professor de ciência política da Universidade de São Carlos (UFSCar), a demissão de Pedro Novais é “um indicador poderoso de que algo vai mal”. Ele acredita que a grande quantidade de cargos de confiança do governo federal favorece a onda de escândalos

– O presidente nomeia 25 mil cargos, sendo que 1.600 com atribuição de manejar recursos. Isso abre uma brecha grande para a corrupção, ainda mais para uma cultura permeável como a brasileira. Só para comparar, nos Estados Unidos, o (presidente Barack) Obama nomeia 2.500 cargos.

Defesa de critérios técnicos

O cientista político Fernando Abrúcio, professor da Fundação Getúlio Vargas, afirma que, se a presidente não adotar medidas mais drásticas que as demissões, a situação tende a se manter do jeito que está.

– Mais do que a faxina, a agenda deve ser profissionalizar os ministérios – avalia o professor.

Abrúcio considera que, por um lado, a queda dos ministros revela um aparente processo de depuração política. Por outro, expõe ainda mais os problemas da gestão. Ele diz que a situação, que se arrasta há décadas, só terá eficácia quando a escolha de um ministro levar em conta não só sua ficha limpa, mas também critérios técnicos que atendam a demanda de cada pasta.

– Essas demissões mostram um lado positivo e negativo. No caso positivo, e não só para o governo, mas para o país, é que os partidos devem se dar conta de que precisam refletir melhor sobre a indicação. E, do ponto de vista histórico, mostra uma certa depuração política. Já o problema é que mostra a fragilidade de gestão, a qual permite justamente que ministros com essa qualificação assumam papéis tão importantes dentro do governo – afirmou o professor da Fundação Getúlio Vargas.

Ainda segundo Abrúcio, Dilma, no entanto, tem conseguido dar resposta positiva ao eleitor quando expurga do governo alguém marcado por denúncias de corrupção. Para ele, a pressa com que Dilma tem trabalhado nesses casos parece render dividendos na popularidade.

– Essa pressa com que Dilma tem procurado afastar essas pessoas tem sido apontada em pesquisas como um fator positivo para o governo. O eleitor pensa: quando surge um problema, ela (a presidente) estanca logo. E, se ela estanca logo, é boa presidente.

Rubens Figueiredo entende que as demissões mostram uma falta de conivência por parte do comandante sobre seus subalternos:

– Por muitos anos, o que se viu é que a roubalheira era institucionalizada e que quase nada era feito para acabar com isso. Agora, pelo menos, há aparentemente um movimento para acabar com isso e moralizar um sistema tão mal avaliado pelo povo.

Fernando Azevedo também acredita que a presidente não deve ter a sua popularidade muito abalada, porque ela conseguirá se descolar dos escândalos do governo.

– Temos que considerar vários fatores. Boa parte desses ministros do governo foi indicada pelo Lula (o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva). E ela (Dilma) também tomou a iniciativa de demitir ou pedir o cargo. Isso ficou associado com aquela expressão de faxina, que foi usada pela mídia, embora a expressão seja até inadequada, porque (a presidente) não faz (isso) sistematicamente, faz de forma reativa – afirmou o professor de ciência política da UFSCar.

Azevedo acrescenta que as últimas pesquisas de avaliação da presidente foram realizadas quando três ministros já tinham sido abatidos por escândalos e não indicaram grandes variação no desempenho de Dilma:

– Por isso, a queda do Pedro Novais não deve repercutir de forma dramática na avaliação da presidente.

De acordo com o professor da UFSCar, o desgaste político com os partidos da base no Congresso Nacional é que deve acabar sendo maior para Dilma Rousseff, apesar de o próprio PMDB ter reconhecido que a saída do ministro do Turismo era inevitável dadas as condições políticas

– É sempre um momento de tensão – afirmou.

Já na opinião do cientista político Amaury de Souza, os últimos episódios têm mostrado que o atual governo tem menos queda para a faxina que evocou nos últimos dias, e muito mais para um processo que beira a autodestruição:

– Esse caso (queda do ministro do Turismo) é de auto-faxina. O ministro é que se derrubou quando usou governanta e motorista pagos com dinheiro público. É ou não um caso de autodestruição?

Link para a matéria: http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/09/14/para-analistas-loteamento-politico-o-problema-925359571.asp#ixzz1Y3dn7UiT

Veja mais

INFOGRÁFICORelembre as quedas dos ministros de Dilma

ESCÂNDALOSTurismo, uma pasta repleta de escândalos

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: