Início > economia > Construção civil e serviços mantêm crescimento do PIB mineiro – alta foi de 3,4% no último trimestre e índice está acima da média nacional

Construção civil e serviços mantêm crescimento do PIB mineiro – alta foi de 3,4% no último trimestre e índice está acima da média nacional


Fonte: Paulo Henrique Lobato, Paola Carvalho e Paula Takahashi – Estado de Minas

 

Tábuas de salvação para o PIB mineiro

Produto Interno Bruto do estado cresce 3,4% no segundo trimestre. Alta foi menor que a registrada de janeiro a março. Bom desempenho da construção civil e do varejo evitou desaceleração maior

Bacharéis em direito, Bruno de Medeiros Santos, de 29 anos, e Gláucia Silva Teixeira, de 30, se casaram no sábado e hoje curtem lua de mel em Punta Cana, paradisíaca praia da República Dominicana, no Caribe. Os custos com a viagem (R$ 5 mil) e os gastos na nova casa, como o apartamento de R$ 145 mil que financiaram no Bairro Castelo, ajudaram o Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais a crescer 3,4% no segundo trimestre de 2011 contra igual intervalo de 2010. O aumento, porém, é menor do que o apurado no primeiro trimestre (5,4%). A desaceleração, já esperada e que levou o indicador estadual a apurar alta de 4,4% no primeiro semestre, é reflexo de vários fatores, sobretudo das turbulências do mercado externo, com a estagnação econômica dos Estados Unidos e crises da Europa.

O mesmo ocorreu em nível nacional, com o PIB brasileiro registrando alta de 3,1% no segundo trimestre – no primeiro havia apurado avanço de 4,2%. Diante disso, o indicador no acumulado do semestre foi de 3,6%. Além da crise externa, outros fatores também contribuíram para a desaceleração, como as medidas do governo federal para conter o crédito, a alta taxa de juros e a valorização do câmbio. O estudo, divulgado ontem pela Fundação João Pinheiro (FJP), reforça a globalização da economia, com problemas num país refletindo em outros, mas também deixa claro que o mercado em Minas está mais resistente que o nacional.

Dos três setores que formam o PIB mineiro, dois apresentaram alta no segundo trimestre: serviços/comércio (4,6%) e indústria (2,5%). Apenas o do agronegócio obteve desempenho negativo, com queda de 1,1%. “O Brasil e Minas já sentem os efeitos da economia (mundial)”, analisou Reinaldo Carvalho de Morais, especialista em Políticas Públicas da FJP. Mas as interferências externas atuais – pelo menos por enquanto – são menores do que as geradas pela crise mundial deflagrada nos Estados Unidos em 2008.

“Ao contrário de 2008, quando o impacto da crise internacional foi rápido, a atual vem afetando as demais economias aos poucos”, explica o diretor do Centro de Estatística e Informações da fundação, Frederico Poley. O setor que mais demora a sentir a crise é o de serviços/comércio. “É o consumo de família. E família não muda o consumo de uma hora para outra. A taxa na indústria só não foi menor em razão da construção civil. É o sonho do brasileiro da casa própria”, explica Morais.

CONTRA A MARÉ A compra de imóveis e obras de infraestrutura também mudam a vida de quem trabalha no setor. O mestre de obras Milton Araújo, de 40 anos, voltou para a antiga construtora, mas com salário maior. A estudante de engenharia civil Vitória Domingues, de 21, já está empregada. A engenheira Juliana Oliveira, de 38, coordena duas obras ao mesmo tempo, com uma equipe que não para de crescer. Nadando contra a maré, os três surfam para o lado oposto da desaceleração da economia mineira.

O PIB da construção civil apresentou em Minas Gerais crescimento expressivo de 8,5% no segundo trimestre, expansão bem superior ao resultado nacional para o mesmo período, 2,1%, impedindo resultado pior para a indústria mineira, que registra retração pelo quarto trimestre consecutivo. “Pode-se afirmar que o setor de construção civil no estado vem sendo pouco impactado pela desaceleração da atividade econômica nacional e internacional”, informa o estudo divulgado pela FJP.

Milton Araújo, casado e pai de três filhos, comemora. “Comprei carro, gado para o meu sítio em Luz (Centro-Oeste), e tenho viajado com a minha família nas folgas”, diz o mestre de obras. Vitória Domingues também: “A maioria dos meus colegas de sala está trabalhando na área. É uma ótima época para se formar. Há muitas oportunidades”. “A alta procura por profissionais qualificados fez as condições de trabalho melhorarem”, enfatiza o pedreiro José Afonso Lima, de 38. “Estão oferecendo salário melhor.” A engenheira Juliana Oliveira acredita que o setor da construção civil continuará forte pelo menos até a Copa do Mundo de 2014. “Em um dos prédios, ainda vamos dobrar o número de funcionários.”

O avanço de 2,5% do PIB industrial mineiro no segundo trimestre ficou a acima do desempenho nacional, de 1,7%. O resultado foi bastante influenciado pela indústria de transformação, que de abril a julho esteve apenas 0,8% acima do observado no respectivo trimestre de 2010, em razão do desempenho de têxteis (- 13,9%), máquinas e equipamentos (- 13,1%), coque e refino de petróleo e álcool (- 10,3%), bebidas (- 8,4%) e produtos alimentícios (- 4,3%). Os setores que tiveram peso positivo foram: papel e celulose (17,5%), químicos (11,1%), metal (10,2%) e montagem de veículos automotores (7,8%). Já a produção dos setores relacionados à indústria mineral no estado apresentou queda de 0,7%.

Comércio sustenta expansão

Entre os meses de abril e junho, o setor de serviços – que engloba o varejo – interrompeu a desaceleração gradual que vinha sofrendo desde o segundo trimestre de 2010 em Minas Gerais. A expansão foi de 4,6%, contra 4,1% nos três primeiros meses do ano, resultado que supera, e muito, a média nacional, de 3,4%. No acumulado de 2011, o setor considerado tábua de salvação para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e mineiro já registra taxa de crescimento de 4,3% no país e de 3,7% no estado.

O bom desempenho do varejo também foi sentido pela Pesquisa Mensal de Comércio realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em julho, o volume de vendas do setor subiu 1,4% em relação ao mês anterior, terceira alta consecutiva. E em relação ao mesmo período de 2010, o crescimento foi de 7,1%. O resultado surpreendeu o mercado, que esperava alta de 1% e 6,5%, respectivamente. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, a expansão para 12 meses chega a 8,5%.

Entre os setores que puxaram a alta estão o de móveis e eletrodomésticos, com alta de 4,1%, e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,6%). No shopping Minascasa, especializado na venda de móveis, o crescimento foi estrondoso. Segundo o superintendente Alexandre Botelho, a alta em julho contra junho foi de 40,1%, comportamento típico do período que registra grandes ações promocionais. “No ano, o crescimento já soma 6,4%. E em relação a julho de 2010, chega a 7,6%.”

A aposentada Marly Alves Teixeira colabora com os números. Neste ano já comprou mais de R$ 5 mil em móveis, tudo para renovar a casa, que acaba de ser reformada. “Ainda está faltando uma cama de solteiro que devo comprar até o mês que vem”, planeja. Para o proprietário da loja Dell Anno no Minascasa, Fernado José Januário, o bom momento da construção civil é o principal propulsor do mercado moveleiro.

Apesar dos resultados positivos, a gerente de economia da Federação do Comércio de Minas Gerais (Fecomércio), Silvânia de Araújo, reconhece uma retração nos resultados. “No acumulado do ano até junho, o varejo registrava crescimento de 12,8% em Minas. Em julho, caiu para 11,8%. Mas os números continuam saudáveis”, avalia.

A economista da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Ana Paula Bastos, alerta que a base de 2010 é muito alta. Apesar da ligeira desaceleração, o varejo deve continuar sustentando o PIB, impulsionado pelo emprego e expansão da renda. “Ainda há espaço para comprometimento da renda das famílias. Teremos pagamento de 13º salário, restituição do Imposto de Renda e dissídios de categorias importantes.”


Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: