Início > economia, emprego > Em plena expansão: abertura de empresas em Minas cresce 17% no 1º semestre – grande BH tem o maior número de empregadores entre a população ocupada

Em plena expansão: abertura de empresas em Minas cresce 17% no 1º semestre – grande BH tem o maior número de empregadores entre a população ocupada


Fonte: Paulo Henrique Lobato – Estado de Minas

Portas abertas em Minas

Número de empresas inauguradas no estado no primeiro semestre chega a 66.318. Foram 9.651 novos negócios a mais do que o registrado em igual período de 2010. Aumento atingiu 17%

Depois de longo tempo prestando serviço a um escritório de contabilidade em Belo Horizonte, os amigos Eduardo Diniz, de 29 anos, André Campante, da mesma idade, e Débora Paiva, de 27, decidiram abrir o próprio negócio. Em maio, inauguraram a C&S Contabilidade Empresarial, que já conta com cerca de 50 clientes. Na mesma época, em Ubá, na Zona da Mata, os colegas Mateus Brasileiro, de 29, e Rafael Mosqueira, de 28, criaram a Orgânica Eco Style, que fabrica moda masculina com matéria-prima ecológica. A firma também vai bem. Tanto que foi sondada para exportar parte da produção. As duas novas empresas foram listadas numa importante planilha da Junta Comercial de Minas Gerais (Jucemg): o número de estabelecimentos abertos no estado cresceu 17% no primeiro semestre, em comparaçãocom o mesmo período de 2010. Nos primeiros seis meses do ano passado, 56.667 unidades foram inauguradas. De janeiro a junho, foram 66.318, ou 9.651 empresas a mais abertas no estado.

A Jucemg não detalhou o ramo de atividade das novas empresas mineiras, mas o saldo positivo permite pelo menos duas conclusões. Primeira, o estado oferece boas condições para os investidores. Segunda, a economia mineira vai bem, como comprovou o Produto Interno Bruto (PIB) de 2010, que fechou o exercício passado com crescimento recorde de 10,9%, acima do indicador nacional, que havia sido de 7,5% no período.

“O ambiente econômico no estado está propício aos investidores”, reforçou Roberto Luciano Fagundes, presidente da Associação Comercial de Minas Gerais (ACMinas). “Uma explicação (para o aumento do número de empresas) é o bom momento da economia, que abre espaço para que a pessoa tenha o próprio negócio. Também se deve às políticas para a formalização de empresas”, emendou o economista Antônio Braz, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A maior parte dos cadastros nacionais de pessoas jurídicas (CNPJ) abertos em Minas no semestre passado é formada pelos chamados empreendedores individuais, cuja receita bruta anual é de no máximo R$ 36 mil. Foram 37.677 registros, o correspondente a 57% das 66.318 empresas abertas de janeiro a junho. O restante dos novos estabelecimentos é formado, na maioria, por micro e pequenas empresas – com faturamento anual de até R$ 240 mil e R$ 2,4 milhões, respectivamente.

Os valores devem ser elevados em breve, de acordo com projeto de lei complementar já aprovado na Câmara dos Deputados, no fim de agosto, e encaminhado ao Senado. O texto altera a Lei do Supersimples – a receita do empreendedor passará para R$ 60 mil; a da microempresa para R$ 360 mil e a da pequena empresa para R$ 3,6 milhões. E mais: a proposta reforça a importância dos estabelecimentos de pequeno porte, os maiores empregadores do país. Para se ter ideia, estudo feito no mês passado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) revelou que as micro e pequenas foram responsáveis, no primeiro semestre de 2011, por 71% das vagas abertas no mercado formal no país – o percentual havia sido de 68% no mesmo período de 2010.

BOAS CONSULTAS A empresa montada pelos três contabilistas ajudou no aumento desse percentual. Inaugurada em maio, a C&S Contabilidade Empresarial abriu sete vagas em Belo Horizonte. Dias depois, os amigos pesquisaram o mercado na Zona da Mata e instalaram, em Juiz de Fora, uma filial. “Mais quatro vagas geradas lá”, conta Eduardo, destacando que o segundo escritório é especializado em atender firmas da construção civil, setor considerado um dos termômetros da economia, como o de escritórios de contabilidade.

“O investidor, hoje, não faz nada sem consultar um contador, pois (entre outras justificativas) a legislação muda muito. Nosso mercado (contabilidade) está bom, com baixo índice de desemprego. Abrimos nosso próprio negócio depois de observarmos que o mercado precisa de profissionais especializados.”

Montar a própria empresa, contudo, não é tarefa fácil. “É preciso coragem e conhecimento amplo”, emenda Eduardo. E mais: diferencial. Os amigos Mateus e Rafael aproveitaram a bandeira que empunham, a defesa do meio ambiente, e criaram uma confecção de moda masculina com material ecológico. “Trabalhamos com algodão orgânico. A nova coleção leva poliester à base de garrafa PET”, explica Mateus. Atualmente, acrescenta o sócio, a empresa produz 500 camisetas por mês. “A meta é pelo menos dobrar esse número até abril, quando poderemos conseguir empréstimos (para ampliar a produção).”

Empresários puxam empregos  

O saldo positivo de empresas abertas em Minas ajudou a Grande Belo Horizonte a se destacar como a região metropolitana com maior número de empregadores entre a população ocupada em julho: 5,6% desse universo, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A capital e cidades vizinhas foi a única região, entre as pesquisadas pela entidade, a apurar percentual acima de 5%.

Em São Paulo, o indicador chegou a 4,9%. Em Porto Alegre, 4,6%. Salvador, com 4,1%, ficou acima do Recife e do Rio de Janeiro. Em julho de 2009, a Grande BH havia apurado 5,2%. Especialistas avaliam que, novamente, o salto se deve ao avanço do chamado empreendedor individual, cujo programa começou há dois anos. A meta no estado é chegar a 150 mil empreendedores individuais em 2011.

A previsão deve ser batida, pois Minas já tem 141 mil empreendedores, como o casal Luciana Maria de Castro, de 37 anos, e Gilberto Souza Rodrigues, de 38. Durante oito anos, eles venderam churrasquinhos nas ruas de Belo Horizonte. Por mais de uma vez, tiveram a mercadoria e o mobiliário apreendidos pela fiscalização, pois não tinham licença do município para negociar os produtos.

“Vendíamos cerca de 150 churrasquinhos por semana. Recebemos conselhos de amigos para nos tornarmos empreendedores. Procuramos o Sebrae, fizemos cursos, assistimos palestras e, hoje, alugamos uma loja no Bairro Buritis, onde negociamos, por semana, de 2,5 mil a 3 mil espetos. Com o CNPJ e o alvará, pagamos a Previdência e poderemos ter aposentadoria”, conta Luciana, fazendo questão de ressaltar que seu produto segue à risca as exigências da Vigilância Sanitária. (PHL)

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: