Início > Aécio Cunha Minas, Aécio Neves, Aécio Neves: choque de gestão, Educação, Gestão, Governo, Política Pública, senador Aécio Neves > Desenvolvimento sustentável: Aécio Neves defende a busca pela inovação com a melhoria da qualidade do ensino superior e das escolas técnicas

Desenvolvimento sustentável: Aécio Neves defende a busca pela inovação com a melhoria da qualidade do ensino superior e das escolas técnicas


Fonte: Artigo Aécio Neves – Folha de S.Paulo

Inovação

O mundo se dividirá cada vez mais entre os países que investem com seriedade em educação, pesquisa e tecnologia e os que não o fazem

Acompanho com respeitosa solidariedade a saga de Steve Jobs, o criador da Apple. Aos 56 anos, acaba de se retirar do comando da empresa por problemas de saúde. Mas, toda vez que se falar em inovação e criatividade, seu nome será uma referência automática.

Ninguém como ele forjou tão bem nossa ideia de modernidade, incorporou o vertiginoso mundo da informação instantânea, global, sem limites no tempo e no espaço, a que todos podem ter acesso.
Jobs colocou sua genialidade a serviço de uma conquista democrática e configurou uma convergência entre a tecnologia e o conhecimento. Um visionário com os pés no chão.

Uma vez lhe perguntaram que tipo de pesquisa de mercado fizera para chegar ao iPad. Ele respondeu: “Nenhuma. Não é tarefa do consumidor saber o que quer”.

Um Steve Jobs não brota por geração espontânea. Ele floresce num caldo de cultura em que a educação é valorizada e o talento, reconhecido. Em que a ciência tem lugar, respeito e incentivo. A contribuição das universidades é fundamental nesse sentido, mas são as empresas, na maioria das vezes, que têm condições de liderar os investimentos em pesquisa e tecnologia.

Além de colocar na agenda de prioridades a melhoria da qualidade do ensino superior e das escolas técnicas, ao governo cabe criar meios e estímulos para que esses investimentos ocorram.

Há iniciativas simples que podem ter grande retorno, como maiores incentivos aos polos de desenvolvimento de pesquisas nos setores estratégicos ou nos quais o Brasil tem tradição e expertise. Da mesma forma, o apoio a incubadoras, viabilizando a criação de mais empresas inovadoras, com o fortalecimento das redes atuais e sua maior integração com os programas oficiais.

O governo pode ainda incentivar a proliferação de comitês reunindo universidades, empresários e institutos de pesquisa, para traçar estratégias integradas de fomento à inovação.

Os dados da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Wipo, na sigla em inglês) registram 442 pedidos de patentes verde-amarelas em 2010. A China protocolou 12.337, a Holanda, 4.097, e só a fabricante japonesa Panasonic fez 2.154 pedidos no ano. Os EUA tiveram 44.855.

O mundo se dividirá cada vez mais entre os países que investem com seriedade em educação, pesquisa e tecnologia e os que não o fazem.

A reconhecida criatividade dos brasileiros ainda traz resultados muito aquém dos necessários para crescermos com qualidade. Se soubermos valorizar os talentos que militam à sombra de nossos laboratórios de pesquisa, universidades e empresas, o Brasil certamente dará importantes contribuições ao mundo. Mas elas serão dadas, sobretudo, ao nosso próprio futuro.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: