Início > economia, emprego > Governo Anastasia concede incentivos fiscais para Caterpillar produzir locomotivas em Sete Lagoas

Governo Anastasia concede incentivos fiscais para Caterpillar produzir locomotivas em Sete Lagoas


Caterpillar produzirá locomotivas no Brasil com fábrica em MG

Fonte: Eduardo Laguna e Ivo Ribeiro – Valor Econômico

Ferrovias: 

A Progress Rail Services – braço ferroviário da fabricante americana de máquinas e equipamentos Caterpillar – anunciou ontem o plano de construir uma fábrica de locomotivas na cidade mineira de Sete Lagoas.

A empresa disputará o mercado brasileiro de locomotivas a diesel e elétricas com a GE, cuja divisão de transportes ferroviários está instalada em Contagem, também em Minas Gerais. Fora a GE, a EIF produz locomotivas de menor potência para tração em Três Rios (RJ).

A Progress Rail não revelou os investimentos previstos para a unidade, mas adiantou que aportes significativos serão realizados na modernização da fábrica – que será instalada dentro de uma antiga oficina de locomotivas arrendada da FCA, principal cliente da fabricante no Brasil.

Influenciam o novo investimento o crescimento do mercado e incentivos fiscais concedidos pelo governo de Minas Gerais. A unidade industrial será operada pela subsidiária brasileira da Progress Rail, a MGE, e vai montar e fabricar locomotivas da marca Electro-Motive Diesel (EMD). Quando estiver operando a plena capacidade, a fábrica brasileira irá empregar diretamente 600 pessoas.

A fabricação deve ter início em seis meses, com estrados e cabine sendo fabricados em Sete Lagoas e demais componentes adquiridos da indústria nacional. A MGE vai fabricar os motores de tração, mas os motores a diesel serão importados dos Estados Unidos.

Com o empreendimento, a indústria sobre trilhos nacional passa a ter os dois principais e mais tradicionais fabricantes de locomotivas do mundo, diz Vicente Abate, presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), referindo-se a EMD e GE.

Segundo o executivo, o investimento é um sinal de que grandes fabricantes de veículos ferroviários voltam a apostar no Brasil, após o longo ciclo de baixa nos investimentos das décadas de 1980 e 1990. “Houve uma degradação do sistema ferroviário de cargas e a indústria de locomotivas foi uma das que mais sofreram com o ambiente de canibalização. Alguns fabricantes saíram e, em certo momento, praticamente deixou de existir produção de locomotivas no país.”

Para Abate, a desestatização da rede ferroviária nacional representou um ponto de inflexão ao permitir investimentos em melhorias da malha pela iniciativa privada. Nas contas da Abifer, o mercado nacional deverá alcançar 40 mil vagões de carga nesta década, superando a marca de mais de 30 mil vagões dos anos de 1970.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: