Inicial > Finanças, Gasto Público, Gestão > Após pressão, Governo aceita mudar indexador que corrige dívidas de Estados e municípios

Após pressão, Governo aceita mudar indexador que corrige dívidas de Estados e municípios


Dívida de Estados terá novo indexador

Fonte: Adriana Fernandes e Renata Veríssimo – O Estado de S.Paulo

Governo cede e aceita substituir o IGP-DI para obter acordo na reforma tributária, mas quer evitar riscos à Lei de Responsabilidade Fiscal

O governo decidiu alterar o indexador dos contratos das dívidas de Estados e municípios negociados com a União na década de 1990. Mas a decisão, que tem como objetivo abrir caminho para um acordo nas negociações da proposta de reforma tributária, envolve um arriscado jogo político no Congresso, porque o entendimento jurídico do Ministério da Fazenda é de que será preciso alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O risco é encaminhar a proposta ao Congresso e os parlamentares pegarem carona para modificar outros pontos da LRF. Como ocorreu com o Código Florestal, esse é um tema de interesse de todos os partidos. E o temor é de que na hora da votação haja uma rebelião na base aliada, com votos contra a orientação do governo. Mudanças na LRF, que representou um marco nas finanças públicas, sempre foram “tabu”.

O Ministério da Fazenda aceita a troca do indexador, desejada pelos governadores, mas quer garantias de que os parlamentares não aproveitarão a brecha para incluir outras reivindicações. Os governadores, nas conversas com a equipe econômica, já deixaram claro que querem mais mudanças nos contratos de dívida, mas não pretendem mexer em outros pontos da LRF.

A lista de pedidos inclui a redução dos juros dos contratos, hoje de 6% a 9% ao ano. Além disso, querem que a mudança do indexador seja retroativa. Dependendo da data, a retroatividade pode representar um grande passivo para a União. Os governadores querem também reduzir o teto de comprometimento das receitas com o pagamento mensal da dívida, de 11% para 9%.

Equilíbrio. Segundo fontes, a preferência da equipe econômica é que o IGP-DI, atual indexador, seja trocado pelo custo médio de financiamento da dívida pública. A avaliação é de que essa correção evita haver “ganhadores e perdedores” em casos de maior volatilidade dos índices. Ainda assim, o governo fez simulações com o IPCA e a taxa Selic.

Favorável à troca de indexador, o economista José Roberto Afonso, que trabalhou na elaboração da LRF, avalia que não é preciso mudar a lei. Segundo ele, a legislação que rege os contratos permite a mudança. O próprio governo já fez alterações nesses documentos, inclusive pela chamada medida provisória (MP) da Copa do Mundo, sem alterar a LRF, ponderou Afonso.

O coordenador dos secretários de Fazenda no Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), Carlos Martins, também avaliou que é possível alterar o indexador sem mexer na LRF. Segundo ele, há uma resolução do Senado que permite a adequação. “O indexador é claramente um desequilíbrio, já que osEstados não conseguem amortizar as dívidas.”

Em artigo publicado no Estado, o ex-procurador-geral da Fazenda Nacional, Cid Heráclito de Queiroz, que deu forma jurídica ao anteprojeto da LRF, alertou para o risco de mudança na lei. Ele deu parecer, no entanto, afirmando que os Estados e municípios têm o direito à “rerratificação” dos contratos, para mudança do indexador.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: