Inicial > política > Sandra Starling fundadora do PT em entrevista ao Globo: “Não se constrói uma democracia e um país passando por cima da militância”

Sandra Starling fundadora do PT em entrevista ao Globo: “Não se constrói uma democracia e um país passando por cima da militância”


‘Decisão do Lula virou imposição’

Exigência de apoio a Hélio Costa em MG motiva saída de fundadora do partido

Fonte: Marcelo Portela – O Globo

Entrevista com Sandra Starling

Militante histórica e uma das fundadoras do PT, a professora, advogada e cientista política Sandra Starling se desfiliou da legenda depois de mais de 30 anos de militância. O motivo, diz ela, foi a imposição da Executiva Nacional de obrigar o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel a ceder a candidatura ao governo mineiro ao senador Hélio Costa (PMDB).

O GLOBO: Por que a senhora resolveu deixar o partido que ajudou a fundar?

SANDRA STARLING: Por causa da decisão da Executiva Nacional de considerar inexistente a prévia do PT mineiro para a escolha do candidato a governador. Participei da prévia achando que era verdade. A imposição da candidatura de Hélio Costa (PMDB) foi uma violência absurda e inaceitável contra os petistas.

Pretende se filiar novamente, como fez a Marina Silva?

SANDRA: Não. Fiz parte do movimento pró-PT, participei da fundação do partido, fui a primeira candidata mulher ao governo de Minas, deputada estadual e deputada federal. Deixo o PT com a dor de uma mãe que deixa um filho. Mas, agora, vale só o que Lula e sei lá mais quem querem.

Chegou a falar com Lula ou alguém da direção sobre esse problema?

SANDRA: Estou muito entristecida com o que a direção fez, e principalmente com o Lula. Conheço-o muito, mas não falo mais com ele depois que virou presidente. Lula não é Deus. Não pode impor sua vontade sobre todos.

E como sua decisão foi vista? Teve apoio de militantes?

SANDRA: Tenho certeza de que muitos militantes pensam da mesma forma, mesmo que não deixem o partido. Estou recebendo solidariedade de todos os lados. E vejo também o desejo de repudiar veementemente o que foi feito em Minas Gerais. Não se constrói uma democracia e um país passando por cima da militância.

Por que a resistência à candidatura do PMDB?

SANDRA: Hélio Costa não votou com o governo essa madrugada (no projeto dos royalties do petróleo). Os petistas em Minas tiveram que engolir sua candidatura, sem ele sequer ter compromisso com o governo. Não estou falando que o projeto é bom ou ruim. Independentemente da proposta, o  que se espera de um aliado é coerência e lealdade. Mas o PMDB não tem compromisso com as teses do PT. E o candidato foi imposto goela abaixo.

Esta atitude da executiva nacional pode dificultar a participação do ex-ministro Patrus Ananias na chapa para o governo de Minas?

SANDRA: Tenho um profundo respeito pelo Patrus e jamais tentaria influenciá-lo a fazer ou deixar de fazer algo. Mas confio que ele não vai trair interesses sociais e vai agir da forma correta.

O PT pode ceder a candidatura em outros estados. Isso pode criar mais problemas?

SANDRA: Eu esperava que Minas se levantasse contra a decisão. Fazendo isso, daríamos força ao Maranhão, ao Paraná e a outros estados onde os petistas passam pela mesma questão. Mas a decisão tomada na cabeça do Lula virou imposição. O que ele está fazendo no partido é caudilhismo e ditadura. Com a justificativa de permanecer na presidência. Mas permanecer na presidência é importante para melhorar as coisas que estão aí. Não para piorar.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: