Início > política > Revista Época faz raio X de Aécio Neves e mostra as virtudes do político conciliador que tem uma visão moderna do Brasil

Revista Época faz raio X de Aécio Neves e mostra as virtudes do político conciliador que tem uma visão moderna do Brasil


O tucano relutante

Fonte: Ruth de Aquino e Leopoldo Mateus com Alberto Bombig

Ele quer sair de Minas direto para a Presidência? Quer flertar com o PT? Quais são os motivos de Aécio para recusar ser vice na chapa de Serra?

Se existe algo que provoca arrepios no ex-governador mineiro Aécio Neves, de 50 anos, é o quadro imenso que domina a sala de seu apartamento no bairro nobre de Anchieta, em Belo Horizonte. Assinada pelo conterrâneo Carlos Bracher, a tela mostra nuvens carregadas sobre a Praça dos Três Poderes. “Ai, ai, Brasília…”, diz Aécio, como se fosse refém de seu destino. Brasília é seu porto daqui para a frente, Minas Gerais ficou pequena. Candidato ao Senado, Aécio acaba de chegar de férias em dois paraísos na Itália – as aldeias da Toscana e as rochas da Costa Amalfitana. Viajou com a namorada, a modelo catarinense Letícia Weber, que tem a metade de sua idade e ele chama de Le: “Sou o último romântico, como diz Lula”.

AO SENADO

Aécio no bar de sua casa. Ele diz que cansou das especulações sobre a candidatura a vice. “Pode cravar, chega dessa história”Paciência. Essa é a maior virtude que Aécio diz ter aprendido com o avô Tancredo Neves. Não é difícil acreditar nele. Além de paciente, é sedutor. Bronzeado, bem-disposto, com o sorriso que faz uma covinha na bochecha direita, o governador mais bem avaliado do Brasil recebeu ÉPOCA em sua casa, na segunda-feira à noite. O suco de abacaxi com hortelã ficou mofando sobre a mesa. Ele falava sem colocar vírgula. De jeans, camisa azul para fora da calça, mocassim sem meia, Aécio balança sem parar as pernas cruzadas e gesticula muito. Tem a mania de prender a mão entre as pernas. O suor marca a cava da manga da camisa. Não parece nervosismo, porque olha no olho, não desvia do assunto. É inquietação mesmo. Malha quase todo dia, joga pelada uma vez por semana, corre. Detesta posar. “Naquela poltrona, não. É horrível.” Era uma poltrona de design, The Egg, do dinamarquês Arne Jacobsen. Ele preferiu a banqueta do bar.

Nos últimos dias, Aécio resistiu a pressões da opinião pública e do PSDB. Recusou-se pela enésima vez a ser vice de José Serra na eleição deste ano: “Pode cravar, chega dessa história”. Os tucanos bicaram e espernearam, mas o empate de Serra com Dilma Rousseff nas pesquisas não demoveu Aécio. “Eu era candidato a presidente. Achava que poderia atrair o PSB, o PDT e racharia o PMDB. Nunca fui candidato a vice, nem quando Serra tinha 20 pontos de vantagem sobre Dilma. Agora sou candidato ao Senado.” Promete ser o maior cabo eleitoral de Serra. Em Minas, nos programas da TV, nos palanques. Basta?

Serra também está cansado dessa história. Deu ordens expressas para que o assunto seja tratado apenas nos bastidores. Não é bom para ele parecer tão dependente. “Aécio tem um projeto pessoal e não quer ir a reboque. Política não se faz por amizade nem por egoísmo, mas não dá para pedir esse sacrifício a ele”, diz o cientista político Octaciano Nogueira. Na quarta-feira, um almoço em São Paulo reuniu Aécio, Fernando Henrique Cardoso, o senador Tasso Jereissati e o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra. “Meu nome nem foi cogitado”, disse Aécio. Os nomes no cardápio foram os conhecidos: o próprio Tasso (o melhor vice na visão de Aécio), o senador Francisco (Ficha Limpa) Dornelles e Itamar Franco.

Por que Aécio disse não, não e não? Porque ele quer ser presidente. Quer ser o primeiro, e não o segundo. Não quer viver no anexo do Palácio do Planalto. Não gosta de sombra, mas de sol. Não quer sair pelo Brasil carregando o pendor para Serra e desguarnecer Minas – onde seu candidato, o governador Antonio Anastasia, vai enfrentar a chapa PMDB-PT (Hélio Costa-Patrus Ananias). O tempo está a favor de Aécio. E ele não se enquadra no figurino de vice. Não é discreto nem calado. “Eu sou otimista. Não deu certo, vamos para a próxima etapa. Estou absolutamente convicto de que tomei a decisão certa.”

É mais fácil imaginar Aécio bebendo cachaça com Lula do que vinho com Serra. “É verdade. Mando todo mês a cachaça da fazenda da família para o presidente. A Matusalém. Não tem nada parecido no Brasil. Quantas garrafas? Ah, o Lula não bebe sozinho”, diz. O que os aproxima não é uma questão etílica, mas o jeito bonachão que atrai e não afasta as pessoas. Se Lula aprendeu a negociar como líder sindical e só ganhou jogo de cintura depois de perder várias eleições, Aécio nasceu com paz e amor no DNA. Político que tem arestas, mineiro não é. “A personalidade e o estilo de Aécio e Serra são muito diferentes”, afirma o cientista político Leôncio Rodrigues. “Não seria fácil conjugar os dois na chapa. Ambos são ambiciosos, com carreira política que os legitima para ser presidentes, são fortes em seus Estados.”

“Se tivesse garantia de que como vice ia botar 20% nos votos do Serra, eu pensaria. Mas é só 0,5%”
AÉCIO, traduzindo em números seu cálculo político

Ao mesmo tempo que sente simpatia por Lula, Aécio expressa respeito por Serra. “Se o Serra tem cara de mal-humorado, precisamos entender isso como uma cara de alguém preocupado com o país.” O mais importante, diz, é o Brasil se livrar de mais quatro anos de PT, porque isso seria “ruim para o país”. Por um momento no ano passado, ele achou que comandaria o processo de mudança. Mas o PSDB, fechado com Serra, deixou Aécio cantando sozinho o samba das prévias. Até que ele fez um “gesto de generosidade” e retirou-se do cenário em dezembro. Em nome de que ele agora seria o vice de Serra? “Em nome de algo maior e de seu próprio futuro, seu projeto presidencial”, diz o sociólogo Bolívar Lamounier, mineiro que mora em São Paulo. Ele é um dos inconformados. Lamounier acha que a chapa puro-sangue Serra-Aécio teria tudo para decidir a eleição e, mesmo se Dilma ganhasse, o gesto de Aécio o transformaria automaticamente em líder maior da oposição no país, em vez de um entre 81 senadores. Mas e Minas? Como candidato a vice ou a senador, qual seria a melhor posição para ajudar a eleger Anastasia? Aécio está convencido de que ficar no Estado é a melhor solução.

Em Minas Gerais, Aécio tem tanta popularidade quanto o presidente Lula. Em janeiro, segundo as pesquisas, Aécio tinha 76% e Lula 72%. Em maio, a situação se inverteu: 73% para ele e 77% para Lula. Isso demonstra que existe uma razoável interseção entre lulistas e aecistas. “Gosto de ser tocado pelo povo, ver meu governo reconhecido, perceber o carinho nos olhos de quem votou em mim. Isso me emociona.” Na segunda-feira, ÉPOCA o acompanhou em viagem de avião a Janaúba, no norte do Estado, onde seu pai foi homenageado. Aécio estava com a voz rouca, desgastada pela festa de batizado da filha de um amigo na noite anterior. No voo, dormiu uns 20 minutos com a boca aberta. “Parece Juscelino”, disse rindo o pai, Aécio Cunha. “Quando eu viajava com Juscelino para o interior, ele sempre batia no relógio e dizia: ‘Me acorde em 20 minutos’.” Revigorado após o sono pesado e breve, Aécio foi recebido por militantes emocionados e moças aos gritinhos, que disputavam fotos ao lado dele. “Agora mais pra frente, Aécio presidente!”, gritavam.

Pela primeira vez, Aécio se diz “desempregado”. Sabe que é por pouco tempo. Ele se anima quando fala da disputa política em Minas, da vida social no Rio de Janeiro, da fazenda onde a filha Gabriela, de 18 anos, sobe na mesma jabuticabeira em que ele subia aos 10 anos. Dos amigos, da família, de Nova York e de futebol. O cruzeirense Aécio “Política é momento. Futebol também. É muita carga no Kaká, não sei se é um cara que tem esse estofo.” não se conforma com uma Seleção Brasileira sem o jovem Ganso.

A conversa sobre a Vice-Presidência seria muita carga em Aécio? Ele diz que não, que se sente honrado. Mas não gosta nem um pouco quando percebe que alguém tenta transformá-lo em bode expiatório na hipótese de uma derrota de Serra nas eleições. “É patético que alguém me chame de traidor ou antipatriota. Se eu tivesse garantia de que como vice ia provocar uma comoção, que eu ia botar 20% nos votos do Serra, eu pensaria. Mas o impacto de meu nome como vice não é expressivo, e os números provam.” Ele se refere a uma pesquisa feita pela Vox Populi em Minas Gerais. Serra teria hoje 36% dos votos em Minas, e Dilma 30%. Dos 14 milhões de eleitores no Estado, 20% admitem votar em Serra com o apoio de Aécio, mas não necessariamente como vice. E só 5% condicionam o voto a Serra a uma chapa com Aécio como vice. Isso corresponde a 0,5% dos votos no Brasil.

A pesquisa só foi feita em Minas porque é ali que o nome Aécio Neves atinge o povo. “No resto do Brasil”, diz Marcos Coimbra, diretor da Vox Populi, “o eleitorado está posicionado e muda pouco agora em função de dados como a Vice-Presidência.” No Norte e no Nordeste, Aécio Neves é praticamente desconhecido. “É em Minas que ele chega ao estudante de baixa renda, ao aposentado, ao operário, ao informal, às mulheres em geral.”

Dizer que Aécio é bom de papo faz justiça a seu gosto pela articulação. Mas seu trunfo maior são as urnas. Foi eleito quatro vezes deputado federal, quatro vezes líder do PSDB, presidente da Câmara e governador de Minas, eleito em 2002 e reeleito em 2006 com porcentual inédito de 77% de votos válidos – e saiu em dezembro com 92% de aprovação. Não é só com simpatia que se consegue isso. “Choque de gestão, esse é o motivo. Sei que alguns criticam, alguns elogiam e a maioria não entende. Choque de gestão significa nossas crianças em Minas ganhando as olimpíadas de matemática, significa ter as crianças de 8 anos que melhor sabem ler no país.”

Aécio acha que Serra não tem batido suficientemente no maior vício do governo Lula: o aparelhamento e a ineficiência do Estado. “Os gastos cresceram de forma avassaladora e irresponsável, e isso não veio acompanhado da melhoria do serviço público. Aqui em Minas todo mundo tem bônus por meta. Pergunta se o governo federal tem alguma medida nessa direção. Não tem sabe por quê? Porque os sindicatos reagem.”

Ele entrou para a política aos 22 anos, como secretário do avô Tancredo, então candidato à Presidência. As imagens dessa época mostram um garoto de olhos muito expressivos e assustados. A vida de repente mudou. Perderia cavalgadas com os primos na fazenda e os jogos do Cruzeiro no estádio do Mineirão em companhia do pai. Subia ao palco político com o carimbo do sobrenome do avô materno. E não mais sairia. Criou luz própria. O jornalista Roberto D’Avila, que o conheceu antes da campanha das Diretas, há 30 anos, acha que Aécio “tem um comportamento de chefe de Estado”. Uma postura que emerge naturalmente em viagens que fizeram juntos a Cuba e à Venezuela nos anos 80, depois à Itália, à França e a vários outros países. “Como dizia Leonel Brizola”, afirma D’Ávila, “os líderes se reconhecem – e seja Shimon Peres ou François Mitterrand, sempre vi todos o tratarem de igual para igual, como alguém com pedigree, história e legitimidade.”

Para entender Aécio Neves, é preciso entender suas muitas paixões. Ele diz ser um homem de seu tempo. “Se gostar do Rio de Janeiro é defeito, vou avisando que esse defeito só tende a aumentar e que vou lá menos do que eu gostaria. É onde estão lembranças da adolescência, amigos e, principalmente, minha filha, Gabriela.” Se houve um momento da conversa em que Aécio ficou sério, foi quando se mencionou que ele gostava de “farras”. Festeiro sim, mas a fama de farrista o incomoda. O Aécio carioca, que desfila no Sambódromo, é mais conhecido do que o rural.

Seu primo Fernando Tolentino, o Grilo, conta como é sagrada a cavalgada anual da família, normalmente na última semana das férias de julho. “A gente sai da fazenda de um parente e vai para a dele. Termina com uma moda de viola e um churrasquinho. Pé no chão, short e camiseta. Sempre que a lua cheia do fim de semana encaixa com a agenda, ele vai para lá e encomenda em algum povoado um franguinho caipira. Gosta de cabrito assado também.”

Aécio continua confiante no futuro, mesmo que tenha sido preterido como candidato à Presidência pelo PSDB. Neste ano, pela primeira vez o nome de Lula não estará nas cédulas desde 1989. Aécio declarou que Geraldo Alckmin perdeu em 2006 não para um candidato, mas “para um mito”. E se o próprio Aécio tiver de disputar com “o mito Lula” em 2014? “Nunca sofro por antecipação, não consigo”, diz mineiramente o neto de Tancredo.

Politicamente mineiro

O que Aécio diz sobre seu futuro, seu candidato, seu país e sua cachaça

“Para eu ser ministro, primeiro o Serra tem de ganhar. Depois, me convidar”

“O Serra pode ser um pouco mais simpático, pode. Mas não podemos querer transformar a pessoa. Ele é confiável, é o que importa”

“A descriminalização da maconha não deu certo em lugar nenhum do mundo ainda, e acho que o Brasil não precisa ser cobaia”

“O Lula toma nossa cachaça até hoje, lá da fazenda. É para beber com uma leitoinha à pururuca”

NÃO, NÃO E NÃO À VICE-PRESIDÊNCIA

“Você acha que alguém vai deixar de votar na Dilma porque eu vou ser vice do Serra?”

“Eu me senti honrado de estar sendo requisitado. Mas disse ao Serra, não tem sentido eu ser seu vice.”

“O FHC achava que as duas principais forças do partido juntas era a melhor chapa que nós tínhamos.”

“Na pesquisa que eu encomendei, só 5% em Minas exigem que eu seja vice para votar no Serra. Isso equivale a 0,5% dos votos no país.”

“Se eu tivesse garantia de que como vice ia provocar uma comoção, que eu ia botar 20% nos votos do Serra, eu pensaria.”

“Na vida e na política você tem convicções. Não adianta empurrar. Empurrado eu não vou.

“Quando eu disse não, em dezembro, o Serra tinha 20 pontos de vantagem sobre a Dilma.”

“O PSDB ainda não tem vice porque havia uma expectativa com relação a mim. Mas eu disse ao (presidente nacional do PSDB) Sérgio Guerra para não alimentar isso. Vice, em primeiro lugar, é para agregar partido, forças políticas e candidaturas, ou então ele representa algo pra um determinado segmento, como o Zé de Alencar com o Lula, que deu aval de um certo setor.”

“O nome mais forte dentro do partido para ser vice é o Tasso. A imprensa ouve o Tasso, ele tem grande capacidade de comunicação. Ele é do Nordeste, Ceará, um eleitorado importante. Já que o Serra vai ter como estratégia não enfrentar diretamente o Lula, o Tasso parte para o embate.”

MINAS GERAIS

“Eu tenho um compromisso grande aqui em Minas. Vamos anunciar agora R$ 50 bilhões de investimentos no primeiro semestre e São Paulo, que é São Paulo, com toda a pujança, vai anunciar R$ 37 bilhões”.

“Minas vivia a estagnação e eu não quero que tudo que eu derrotei volte. Minha responsabilidade é dar continuidade ao que está aqui. Vai ser um presente o (Antonio) Anastasia como governador.”

“Só 10% dos eleitores sabem que o Anastasia é meu candidato e nas espontâneas ele já empata com o Hélio (Costa), que é conhecido por 85% do eleitorado.”

“Pode ter quem se dedique igual à eleição do Serra, mas não mais que eu. Acho que posso ajudar aqui, com 2/3 dos candidatos à eleição proporcional e mais da metade dos prefeitos. Eu vou sair uma ou outra vez pra ir em alguns lugares com ele, mas sem abandonar Minas Gerais.”

“Eu tenho que ficar aqui, pois o Anastasia não é ainda uma liderança autônoma. Quem tem crédito com os prefeitos é o governador que esteve aqui nos últimos 8 anos.”

“Eu acho que vai ter alguma Dilmasia aqui sim, mas de gente do PT que vai votar na Dilma e no Anastasia, porque no PSDB é proibido. Eu acho que ela falou isso meio ingenuamente, porque percebeu que tem muita gente que tem simpatia pelo Lula e aprova nosso governo. Mas prefeito ou deputado do PSDB que não apoiar a gente será expulso.”

“Acho que mais 4 anos de PT é ruim para o país e quero muito ganhar esta eleição.”

JOSÉ SERRA

“Como é que eu posso ter rancor de alguém que estava buscando o mesmo que eu? Serra usou a força dele e conseguiu.”

“A experiência do Serra vai fazer a diferença. A Dilma tem muitas virtudes, caso contrário não estava onde está. Quem está apostando numa eleição com muita diferença vai quebrar a cara. Tem muita gente no PT achando que vai ser uma balaiada.”

“Para eu ser ministro, primeiro o Serra tem que ganhar. Depois, me convidar”.

“Mas gosto mesmo do Congresso. No Senado, eu posso ajudar muito o Serra”.

“Serra está querendo dar uma remarcada na questão de segurança e eu acho inteligente, porque é onde o governo é vulnerável. Temos que marcar aí umas quatro, cinco bandeiras para mostrar claramente à população nossas diferenças”.

“O Serra tem, já consolidado, um terço do eleitorado e sua imagem é de um homem confiável.”

“Pode ser um pouco mais simpático, pode. Pode falar mais coisas que toquem o coração das pessoas, pode. Mas não podemos querer transformar a pessoa. Ah, se o Serra tem cara de mal-humorado, precisamos entender isso como uma cara de alguém preocupado com o país.”

SONHO DA PRESIDÊNCIA

“Como candidato a presidente, eu acho que eu poderia atrair o PSB, o PDT e racharia o PMDB.”

“Eu falei de gestão moderna, eficiência, mas quando percebi que não tinha apoio, fiz um gesto de generosidade e abri mão.”

“Todo mundo apostava que eu ia sair do PSDB, eu disse ‘não vou sair porque não vou compor com quem não tenho afinidades’. Muita gente falou: ‘vai rachar o partido e vai pras convenções’, também não fiz.”

“Mas não tenho essa obsessão. Se eu tiver a oportunidade de fazer uma coisa extraordinária no país vai ser maravilhoso, mas quem não está preparado pra incompreensões não está preparado para a vida pública.”

“Eu sou otimista. Não deu certo, vamos para a próxima etapa. Estou absolutamente convicto de que tomei a decisão certa.”

“Aprendi com Tancredo: paciência. Na vida pública você pode transigir na estratégia se necessário, mas nunca nos seus objetivos e seus princípios. Então, às vezes, é melhor adiar um projeto do que buscar alguns atalhos. Eu tenho vontade de conduzir um processo, mas não é uma obsessão.”

“Podia ter ido para o PMDB, no ano passado, e, hoje, ser um candidato competitivo, mas e aí? Seria o caminho?”

“Eu sou parecido com o Tancredo. Gosto de conversar, gosto do convívio com as pessoas. Estou tendo um privilégio que não é comum, do carinho das pessoas que querem me tocar. Me deixa feliz.”

“Quero um dia ser presidente da República, mas se não for, não vou ficar frustrado.”

OS GRANDES TEMAS

“Temos que acabar com o aparelhamento e com a ineficiência do estado. Os gastos correntes cresceram de forma avassaladora e irresponsável, e isso não veio acompanhado da melhoria do serviço público. Aqui em Minas, tudo mundo tem bônus por meta. Pergunta se o governo federal tem alguma medida nessa direção. Não tem, porque os sindicatos reagem.”

“O Brasil tem uma agenda que não foi cumprida,nem pelo Fernando nem pelo Lula. Eu acho que a reforma política tem que vir antes de todas as outras e depois a tributária, para acabarmos com essa guerra fiscal horrorosa e essa concentração recorde de recursos na mão da União: 70% de tudo que se arrecada.”

“Choque de gestão: alguns criticam, alguns elogiam e a maioria não entende. Choque de gestão na prática o que é: nossas crianças ganhando as olimpíadas de matemática, termos as crianças de 8 anos que melhor sabem ler. Temos que traduzir pras pessoas.”

“A descriminalização da maconha, que eu saiba, não deu certo em lugar nenhum do mundo ainda, e acho que o Brasil não precisa ser cobaia.”

“Quando o Serra decidiu criar o Ministério da Segurança, até conversou comigo. O dinheiro do governo federal não chega para a questão de segurança. Eu disse a ele que era legal, mas disse: avisa logo que vamos acabar com alguns desses ministérios aí, senão vão achar que vamos aumentar os gastos. Ele escolheu acabar com o do Mangabeira Unger e com o da Pesca.”

O PT

“Por que não pensar num futuro assim pro Brasil? Acho que vai chegar um momento em que a disputa pelo poder vai deixar espaço para o entendimento. Hoje, basicamente, o que separa o PT do PSDB é a disputa pelo poder. Em SP, onde os dois têm bases muito fortes, nunca se permitiu essa aproximação. Por aqui, em Minas, já se conseguiu fazer isso.”

“Em Minas, com o Fernando Pimentel, fizemos a aliança porque passamos 8 anos trabalhando juntos e aí cada um ia ficar com seu candidato. Não, fomos atrás de um homem correto e competente e apoiamos.”

“Temos que ter espírito público e compromisso. Por que não dizermos: vamos fazer essa reforma, independentemente de quem ganhar a eleição? Não são reformas de um partido, são do Brasil.”

“Na prática acontece o contrário. O PT fez isso com a gente durante 8 anos e o PSDB foi pelo mesmo caminho e acabou bombardeando projetos que eram do interesse do país.”

“Não temos mais candidatos de direita. Quem dos três é de direita? É injusto dizer isso.”

“O Pimentel tem muitas qualidades. Fizemos muitas parcerias aqui e o governo dele teve muitos bons resultados, o que atrapalha um pouco é a pressão que o PT faz pra estar dentro do governo. Mas ele tem visão moderna de estado. Das lideranças do PT com quem eu convivi, é a mais parecida comigo.”

“Eu não teria a menor dificuldade de, no futuro, fazer uma aliança com ele(Pimentel). Do mesmo jeito que no PT tem muita gente antiga, tem muita gente moderna. Eu quero conversar com gente que pensa o Brasil e dentro do PT tem muita gente assim. Temos que parar com essa bobagem de que porque é do outro partido só tem defeitos e o cara que está do seu lado só tem virtudes. Existem virtudes de todos os lados e é esse reconhecimento que permite que depois de passada a eleição se construa pontes.”

O HOMEM

“Eu não sofro por antecedência, não consigo.” (sobre a hipótese de ter que disputar com Lula a presidência em 2014)

“Levo uma vida comum aqui. Converso com as pessoas, vou ao cinema, vou à pizzaria.”

“Gosto mais de Nova York do que de Paris.”

“Se gostar do Rio for um defeito, o meu defeito vai só aumentar.”

“As minhas amizades são as mesmas de muitos anos. Eu tenho prazer, hoje, de estar no Rio e de estar em minha fazenda em Cláudio, tomando uma Matusalém.”

“Essa nossa cachaça não tem nada parecido no Brasil. A gente não vende. Meu tio Musse fabricou em 1960, quando o Tancredo ia ganhar do Magalhães, e ele perdeu. Aí, ficou lá e ele começou a engarrafar a conta-gotas. Ficou no tonel de madeira de amendoim. Eu fiz os cálculos e vi que até os 90 anos ainda teremos estoque dela. A cachaça é maravilhosa, envelhecida. Tira gosto pra acompanhar: uma leitoinha a pururuca.”

“O Lula toma nossa cachaça até hoje, lá da Fazenda.”

“A Gabriela vai todo mês com amigos do Rio, mais de 20. Ela tem 18 anos e fica todo mundo lá, nadando, andando à cavalo. Ver minha filha, junto com os primos, subindo na mesma jabuticabeira que eu subia é muito legal”.

“Vou ao Rio quando posso, menos que gostaria. É a primeira vez que estou sem mandato, desde 86. Estou desempregado e fui viajar um pouco.”

“Eu leio jornal, e leio até demais.”

“Eu não pauto minhas amizades por posições políticas. Falta um pouco mais de arte na política. Está tudo muito no enfrentamento. Depois as pessoas ganham e não sabem nem por que ganharam. Fica só a luta pelo poder e pelos cargos. Quero dar mais leveza à política.”

“Eu sou uma pessoa muito de bem com a vida. Eu não mudei a minha vida. Nunca vesti estereótipo de político tradicional pra ganhar voto. Sou um homem do meu tempo. Disputei as duas eleições para o governo, eu estava separado da mulher, e alguns diziam que ia atrapalhar…”

“Tudo que traz bem-estar para as pessoas influencia no voto. A situação econômica influencia, a quantidade de vizinhos empregados na sua rua também. O Brasil ganhar a Copa também. Tudo ajuda mais a quem está no governo.”

“Eu acho que o Dunga fez um milagre. Mas eu estou na campanha de chamar o Ganso. Está jogando muito. Não sei se levaria o Neymar, mas o Ganso sim. É muita carga no psicológico do Kaká, não sei se é um cara que tem esse estofo.”

Anúncios
Categorias:política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: